Diferenças dos tipos de cirurgia abdominal: clássica ou em âncora

Muitas vezes o emagrecimento deixa de ser uma questão estritamente estética e se torna necessário por motivos de saúde. Entretanto, após esse processo, podem ficar alguns vestígios. O excesso de pele no abdome é o mais comum. A boa notícia é que há solução para isso. Continue lendo para conhecer os principais tipos de cirurgia abdominal.

São sobretudo os pacientes que recorrem à cirurgia bariátrica que costumam apresentar esse quadro, visto que o emagrecimento ocorre de forma rápida e intensa. E, por isso, alguns continuam com a mesma insegurança do corpo que tinham na época em que eram obesos.

No entanto, a causa passa a ser outra: a pele abdominal tende a não voltar totalmente ao normal após a cirurgia. Para corrigir esse efeito, existem diferentes tipos de cirurgia abdominal.

Os principais são a clássica ou a em âncora. Se você deseja entender melhor, continue lendo abaixo. Preparamos um miniguia com as principais características de cada uma delas.

Cirurgia abdominal clássica

Considerada um dos principais tipos de cirurgia abdominal, a técnica consiste em uma incisão em formato de arco localizada logo acima dos pelos pubianos. Há casos nos quais também é necessária uma outra incisão ao redor do umbigo. Normalmente, essa cirurgia é indicada para pacientes que apresentam excesso de pele tanto acima quanto abaixo do umbigo.

Após realizar os cortes, o médico desloca a pele do abdome em direção ao tórax e expõe os músculos, que serão unidos e costurados, formando uma parede abdominal mais firme e definida.

Trata-se de um procedimento mais invasivo e a partir dele é possível retirar também alguma gordura abdominal remanescente. Essa gordura é retirada da pele do abdome, junto com o excesso da mesma, e todo o tecido é reposicionado.

Devido a diminuição da pele e da circunferência abdominal, pode ser que o orifício inicial não coincida com o umbigo do paciente, sendo necessário fazer um novo corte na pele, no qual ele se encaixará.

Esse excesso pode ser resultante do emagrecimento após uma cirurgia bariátrica, ou mesmo por dieta alimentar, gravidez ou flacidez da pele que se desenvolve com o tempo.

Normalmente é realizada mediante anestesia geral e peridural.

Após a cirurgia, o paciente permanece com dreno em torno de 7 dias. Caminhadas, curativos e cintas de compressão também são indicados para uma boa recuperação e para auxiliar no alcance dos resultados desejados.

A cicatriz permanece, mas é atenuada com o tempo. Contudo, uma nova gravidez ou ganho de peso podem comprometer os resultados. É por isso que uma dieta balanceada e a prática de exercícios físicos regulares são fatores fundamentais para resultados mais duradouros e satisfatórios.

Cirurgia abdominal em âncora

Algumas pessoas, após o emagrecimento, apresentam uma incômoda barriga em formato de “avental”. Trata-se de um excesso de pele que fica caído, impedindo que o paciente use roupas mais justas e causando assaduras em dias de calor.

banner clínica integrada de cirurgia plástica

Nesse caso, pode ser recomendada a cirurgia abdominal em âncora. A anestesia empregada nesse procedimento é a peridural com sedação ou a geral, em casos mais complexos. O procedimento dura entre 3 e 5 horas e, além do corte realizado logo acima dos pelos pubianos, também há um outro corte em linha reta que passa pelo umbigo até o baixo ventre.

Isso acontece porque normalmente o paciente indicado para esse tipo de cirurgia abdominal necessita de uma redução maior de tecido. Além disso, a pele pode ser reduzida tanto no sentido horizontal quanto vertical.

O nome da cirurgia deriva da sua cicatriz, que costuma ficar em formato de uma âncora. Após o procedimento, também será necessário utilizar uma cinta de compressão e realizar pequenas caminhadas, que ativam a circulação e ajudam a evitar a ocorrência de trombose.

Entretanto, é proibido pegar peso e esticar demais o corpo nas primeiras semanas. Tais atitudes podem fazer com que os pontos se abram, causando complicações e comprometendo o resultado do procedimento.

Quais as diferenças entre esses procedimentos?

Após entender como funciona cada um dos tipos de cirurgia abdominal, é comum que surjam dúvidas quanto às diferenças entre elas. Somente o seu médico poderá indicar qual a melhor para o seu caso.

A cicatriz da abdominoplastia clássica pode ser facilmente disfarçada, visto que fica em uma região que normalmente fica coberta pelas roupas, ainda que a paciente use biquíni. Já a cirurgia em âncora apresenta uma cicatriz maior e mais evidente por conta do corte vertical.

Quais as semelhanças entre eles?

Nos dois tipos de cirurgia abdominal, a anestesia e o pós operatório normalmente são semelhantes. Em ambos os procedimentos, o paciente inspira cuidados não podendo realizar grandes esforços físicos nas primeiras semanas.

O não cumprimento dessas e de outras recomendações médicas pode levar à ruptura dos pontos ou mesmo à inflamações. Tais eventos, além de comprometer os resultados, podem colocar em risco outros aspetos da saúde do paciente.

O uso de cintas e a prática de caminhadas leves também é importante em ambos os casos, de modo a evitar problemas circulatórios que podem aparecer como complicações pós cirúrgicas.

Tanto para pacientes que realizaram o procedimento clássico quanto para aqueles que fizeram a cirurgia em âncora, a volta às atividades normais do dia a dia acontece cerca de 30 dias após o evento. Esse prazo pode alterar e o médico é quem deve fazer um acompanhamento e mensurar as variáveis da recuperação.

É importante ter em mente que, embora existam algumas reações e procedimentos padrão, há diferenças de um organismo para outro. Portanto, não estranhe se a sua recuperação for diferente do pós operatório da sua amiga, que usou a mesma técnica aplicada pelo mesmo cirurgião.

Em caso de dúvida ou insegurança, é importante ter uma conversa franca com o seu médico para que o procedimento seja realizado sem receios ou preocupações.

Entendeu quais são os principais tipos de cirurgia abdominal e como cada um deles funciona em termos de resultados e recuperação? Se você gostou do post ou se ainda tem alguma dúvida, entre em contato conosco e conheça nossos profissionais.

A realização de cirurgias plásticas está cada vez mais comum, segura e acessível. Por essa razão, cada vez mais pessoas recorrem a um cirurgião plástico para melhorar aspectos que não estão agradando em seus corpos.
Dr. Lecy Marcondes

DR. Lecy Marcondes

Dr Lecy Marcondes Cabral, Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Fellow do Colégio Internacional de Cirurgiões, 35 anos de profissão, graduou-se, em 1982, em medicina pela Faculdade de Medicina de Pouso Alegre, em Minas Gerais:

  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Integra o Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz e do Hospital Israelita Albert Einstein.
  • Pesquisador na área de Cirurgia Plástica
  • Premiado nos Fóruns de Pesquisa do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Autor de capítulos de livros publicados nas áreas de cirurgia e cirurgia plástica.
  • Diretor e Responsável da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Open chat