Tipos de cicatrização: conheça quais são e os cuidados necessários

Um pequeno corte na infância, uma ferida que demorou para fechar ou infeccionou, um cravo ou espinha que são tirados da maneira errada ou uma cirurgia. Há muitos processos pelos quais as pessoas passam e que podem deixar marcas no corpo. A cicatriz é o resultado inevitável dessas grandes ou pequenas lesões que trazemos ao longo da vida.

Existem muitos tipos de cicatrização e, na maioria das vezes, eles podem ser diferentes para cada pessoa. Essas mudanças estão relacionadas a diversos fatores, como a idade, a alimentação, a existência ou não de doenças crônicas, as medicações que são tomadas, entre outros motivos.

Neste post, vamos abordar quais são os principais tipos de cicatrização e como podemos tratar de cada um deles para alcançar os melhores resultados para o paciente. Aproveite a leitura e converse com seu especialista para que não haja surpresas após qualquer procedimento que envolva uma lesão na pele.

O que é o processo de cicatrização

A cicatrização nada mais é do que a troca de um tecido que passou por uma lesão por um novo ― um reparo providenciado pelo próprio corpo humano para promover a reconstituição da pele. Esse processo pode ocorrer de duas formas:

Cicatriz primária

Quando um ferimento não tem perda de tecido, não é contaminado e é formado com bordas lisas e próximas, como nas cirurgias, ocorre a cicatrização primária.

Cicatriz secundária

É ocasionada, normalmente, por ferimentos ou por problemas na cicatrização. Nesse caso, as bordas são afastadas e esteticamente são desfavoráveis.

Quais os principais tipos de cicatrização

Conhecer os tipos de cicatrização é fundamental para que o profissional escolha o tratamento mais adequado para cada um. Assim, os riscos de infecções são menores e o resultado final na sua pele será mais satisfatório.

Cicatrização queloide

Quando há crescimento fora do comum do tecido da cicatriz no local onde houve a lesão, a alteração é chamada de queloide. Não há riscos para a saúde nesses casos, e, na maioria das vezes, ocorrem em mulheres. Quem tem a pele mais escura ou mesmo os asiáticos tendem a desenvolver mais essa condição.

Não há como prever se ela vai aparecer ― o surgimento da queloide pode se formar tanto em um corte como em uma cirurgia, em queimaduras ou em outras situações em que há lesão na pele. 

Em grande parte dos casos a queloide pode ser tratada com uso da betaterapia. O tratamento é similar a uma radioterapia e pode ser aplicado em todas as áreas do corpo. A betaterapia não provoca dor e pode ser considerada simples, pois apenas a pele é atingida pelo tratamento.

Cicatrização hipertrófica

Muitas vezes confundida pelo paciente com a queloide, a cicatriz hipertrófica também apresenta formas mais exuberantes. A pele no local da lesão fica saliente e pode apresentar coloração avermelhada.

Ela pode ocorrer quando o organismo excede a produção de colágeno de forma desordenada. Diferentemente de quem tem tendência à queloide, as pessoas que desenvolvem a cicatriz hipertrófica podem ter a cicatrização normal em outras lesões.

As lâminas ou placas de silicone podem ser usadas para tratar as cicatrizes hipertróficas. Eles atuam na compressão do local da cicatriz e no aumento da temperatura, o que leva a uma melhor atividade da colagenase.

Cicatrização branca e Cicatrização escura

A hipopigmentação ou cicatriz branca é formada quando não há produção de melanina suficiente no local da lesão.O inverso seria pela concentração de melanina, então teremos a cicatrização escura – que pode melhorar com hidratação sobre a cicatriz ou uso de despigmentante, sob orientação de seu médico.. Essa é uma condição genética nas pessoas que apresentam hipersensibilidade.

Nos casos menos graves, como arranhões e cortes pouco profundos, as manchas brancas voltam ao normal sozinhas. A exposição solar por curtos períodos, nos horários em que a radiação é menor, pode ajudar.

Cicatrização alargada

Quando a cicatriz parece espalhada, frouxa e rasa ela é chamada de alargada ou hipotrófica. Essa condição pode ocorrer pela dificuldade do organismo processar a cicatrização ou mesmo pela ruptura de pontos. Também é encontrada em pessoas que têm pouca elasticidade na pele. A aparência é semelhante à de estrias e geralmente afeta as regiões do abdômen ou das mamas.

A falta de colágeno e elastina no organismo está relacionada a esse tipo de cicatrização. O colágeno é produzido de forma natural pelo corpo humano e tem a função de sustentar as células que constituem os tecidos.

Além de ser produzido pelo corpo, o colágeno pode ser encontrado em alimentos, e suas fontes mais ricas estão no tutano e na gelatina. A vitamina C também contribui para esse processo. O tratamento deve promover o estímulo à produção de colágeno e elastina pelo organismo ― ou a complementação dela.

Cicatrização da tatuagem

Nem sempre a marca no corpo é decorrente de um machucado, corte ou procedimento cirúrgico. Muito mais simples do que uma cirurgia ou um ferimento profundo, a tatuagem também tem seu processo de cicatrização e deve receber cuidados especiais para garantir a coloração e a precisão dos traços.

Esse processo dura cerca de quatro semanas e deve ser iniciado logo após o término do trabalho do tatuador. Nas primeiras 24 horas, é recomendado o uso do curativo, que deve ser trocado constantemente para que não haja umidade e proliferação de bactérias. Quando o desenho começar a formar crostas elas não podem ser retiradas.

Após a primeira fase, uma fina camada de pomada cicatrizante pode ser aplicada nos primeiros 15 dias. O local ficará hidratado, o que ajuda na manutenção das cores usadas pelo tatuador.

Quais os cuidados comuns a todos os tipos de cicatrização

Durante qualquer processo de cicatrização, alguns cuidados básicos devem ser tomados pelo paciente para que as marcas no corpo sejam amenizadas. Isso inclui alimentação balanceada e rica em proteínas, carboidratos e gorduras.

Outra dica é a hidratação do organismo. Aqui vale aquela regra básica: beber ao menos dois litros de água por dia ajuda a acelerar a regeneração da pele de diferentes tipos de cicatrização. 

Se você quer receber mais informações e as últimas novidades sobre procedimentos cirúrgicos estéticos, assine a nossa newsletter!

Quais são os cuidados no pós-operatório de cirurgia plástica?

Os motivos que levam uma pessoa a procurar uma cirurgia plástica podem ser por estética, por saúde ou por alguma recomendação médica específica. Mas, independentemente dos fins, os cuidados no pós-operatório são tão importantes quanto a operação em si.

Se você está planejando sua cirurgia plástica e já escolheu a sua clínica — ou se passou por um procedimento e precisa de informações extras —, este post vai ajudá-lo a entender como é a fase posterior à maca, de maneira completa e esclarecedora. Confira!

A importância do pós-operatório para o resultado

Antes de tudo, é necessário entender que um rito cirúrgico altera a estrutura do corpo, modificando-o para alcançar o objetivo planejado desde as primeiras consultas com o cirurgião. Por isso, é preciso promover todas as condições favoráveis para que o organismo assimile as mudanças e se recupere.

Mais que a preocupação estética, é preciso pensar na saúde e no bem-estar para que a vida continue normalmente, sem sequelas ou complicações. Ouça o médico e mantenha um relacionamento próximo com a equipe da clínica, pois eles são as melhores referências para qualquer dúvida.

A equação é simples: se você seguir à risca todo o repouso, medicações e cuidados exigidos, você terá sucesso. Caso contrário, você pode comprometer todo o investimento de tempo, dinheiro e energia depositado no processo.

O segredo está na disciplina e no conhecimento. Leia atentamente nossas orientações sobre os principais cuidados e saiba como se preparar para o seu período pós-operatório.

Atenção à alimentação

Muitos podem desvalorizar uma alimentação balanceada e saudável no dia a dia. É comum que a correria nos torne displicentes com relação a isso, já que é bem mais prático aderir ao fast food para matar a fome.

Porém, mais do que a questão nutricional, a alimentação assume um importante papel de aliada para que a recuperação cirúrgica ocorra da maneira certa, reduzindo as possibilidades de efeitos colaterais.

Entre outros benefícios, a alimentação contribui para:

  • a aceleração da recuperação;
  • o equilíbrio das funções intestinais;
  • o fornecimento de proteínas e nutrientes necessários ao período;
  • a força e energia para suportar eventuais dores e incômodos;

Não basta só comer

A recomendação do zelo com a alimentação não é simplesmente para matar a fome e dar força. É preciso que a escolha do que será ingerido seja feita de maneira inteligente, a fim de suprir sob medida as necessidades que cada tipo de cirurgia exige.

Por isso, é preciso conversar com os profissionais envolvidos no tratamento, para que eles expliquem quais serão as carências nutricionais no repouso e auxiliem na escolha dos alimentos corretos.

Certos alimentos podem atrapalhar o pós-operatório em vez de ajudá-lo. Fique atento aos vilões e evite-os no prato. A seguir, separamos alguns alimentos que devem passar bem longe do seu cardápio. Não vacile!

  • frituras;
  • embutidos;
  • gorduras saturadas e trans;
  • fermentativos como feijão, lentilhas e repolhos, exceto sob recomendação profissional;

O que deve ser ingerido

Cada cirurgia carrega as suas particularidades e uma pode ter uma dieta diferente da outra, a depender do que se espera do organismo.

No geral, investir no consumo de alimentos leves como vegetais e frutas é uma recomendação muito válida. E lembre-se: não seja proativo nesse estágio do tratamento. Só obedeça recomendações do seu médico, mesmo que o alimento pareça ser benéfico.

E o mais importante: beba muita água. A hidratação deve ser sua melhor amiga nessa fase, pois o corpo carece, e muito, de líquido para fornecer as condições de saúde ideais. Uma dica de ouro para potencializar a hidratação é o consumo de sucos naturais sem adição de açúcar.

Uso dos acessórios

Alguns tratamentos precisam de um apoio especial durante a fase de repouso. São acessórios desenvolvidos para auxiliar o corpo na adaptação à mudança, além de outros fins funcionais, como sustentação do peso, cicatrização e alinhamento da postura.

Eles são indicados em cirurgias específicas e devem ser usados durante todo o período indicado pelo seu cirurgião, sob pena de causar algum dano ao resultado ou até mesmo prolongar a sua recuperação. Conheça alguns deles:

Cinta compressora

Essa cinta é utilizada por quem passa por cirurgias de abdominoplastia, lipoaspiração e lipoescultura, além de algumas outras, conforme a necessidade. Ela deve acompanhar o paciente durante todo o processo de recuperação.

A cinta é usada para a compressão dos tecidos, evitando que líquidos se acumulem e prejudiquem o processo de cicatrização. Ela não é incômoda a ponto de ser abandonada, portanto não há motivos para deixar de usá-la. O paciente só tem a ganhar.

Sutiã pós-operatório

Quem passa por cirurgias nas mamas precisa de um apoio especial para se recuperar do procedimento. Além dos cuidados que essa intervenção exige, como evitar pesos e levantar os braços ou ter o acompanhamento de alguém para as atividades diárias, é necessário um sutiã especial.

Essa peça, diferenciada e específica para esse fim, cumpre o papel de sustentar os seios para que os movimentos não atrapalhem a cicatrização e provoquem a abertura dos pontos. Normalmente, esse sutiã deve ser usado nos 30 dias posteriores à operação. Depois disso, outros modelos estão liberados, sob recomendação do cirurgião.

Acompanhamento médico

O tratamento médico em uma cirurgia plástica só termina quando ocorrer a completa cicatrização dos pontos e o paciente voltar à sua rotina normal. O repouso acontece em casa, mas a ligação com a equipe clínica jamais deve se romper.

Toda e qualquer dúvida deve ser direcionada para os profissionais, utilizando os meios de contato combinados. Além da experiência profissional, eles têm conhecimento específico sobre o paciente e podem orientá-lo de maneira particular e assertiva.

Conselhos de amigos, da internet ou até mesmo de outros profissionais devem ser evitados ao máximo. O acompanhamento pós-cirúrgico normalmente não é cobrado à parte, por isso nada justifica sua renúncia.

Tempo de repouso

O período de repouso foi pensado de maneira a permitir uma cicatrização eficiente e completa. Dessa forma, a má observação dele pode comprometer não somente a estética, mas também a saúde do paciente.

Além de atrasar os resultados, voltar às atividades normais antes do tempo certo pode gerar outros problemas mais sérios, como inflamações, infecções ou até mesmo lesões graves, dependendo do tipo de cirurgia realizado.

Há cirurgias que precisam de um tempo menor, como por exemplo a ninfoplastia — cirurgia íntima —, e outras que precisam de uma disciplina e prazo bem maiores, como a mamoplastia de aumento. Por isso, a orientação é que as transformações que necessitam de repouso maior sejam feitas em períodos mais tranquilos.

A atenção e o respeito a esses cuidados necessários garantirão que tudo ocorra bem e que os benefícios que levaram o paciente a decidir por uma cirurgia plástica sejam alcançados de maneira plena.

Antes de tudo, na fase de planejamento, estude todas as exigências de repouso e prepare todas as condições para que elas sejam seguidas. Não se coloque em situação de risco.

Este conteúdo foi útil e esclarecedor para você? Ele também poderá orientar outras pessoas. Compartilhe-o nas suas redes sociais, para que seus amigos também tenham ciência desses cuidados no pós-operatório!

Abdominoplastia: saiba tudo sobre a cirurgia plástica no abdômen

Uma das cirurgias mais procuradas e que é conhecida por proporcionar resultados muito satisfatórios é a abdominoplastia. São homens e mulheres que buscam esse recurso a fim de conquistarem uma aparência estética mais harmoniosa e assim elevarem sua autoestima de forma saudável.

Mas você não sabe o que é a abdominoplastia? Confira no post de hoje tudo sobre essa cirurgia, assim como as técnicas utilizadas pelos médicos, tipos de cicatrizes, recomendações importantes e outras informações relevantes sobre o assunto!

O que é a abdominoplastia?

É uma cirurgia plástica em que ocorre a retirada do excesso de pele e gordura do abdômen, excesso este gerado por vários fatores, dentre eles uma grande perda de peso.

Esse procedimento permite que o abdômen tenha um aspecto mais liso, sem deformações. Além disso, a remoção da pele abaixo da região do umbigo pode ainda retirar algumas estrias mais evidentes e possíveis cicatrizes, o que contribui para o ganho de uma aparência melhor.

Em quais situações a operação é recomendada?

É muito importante frisar que a abdominoplastia não tem por objetivo a eliminação de peso corporal, mas sim a redução do volume e flacidez abdominal. Dessa forma, a cirurgia é indicada, pelos cirurgiões plásticos, para as pessoas que desenvolveram um abdômen protruído, frouxo e sem forma.

Entre as causas dessa flacidez, destacam-se algumas situações como gravidez, perda de grandes volumes por oscilação de peso, resultado de cirurgias anteriores — como a bariátrica — hereditariedade e envelhecimento.

Indicações em casos específicos

Além dessas causas, a operação serve como método de correção de hérnias e de diástase dos músculos retos abdominais. As hérnias são saídas do conteúdo da cavidade abdominal através de um orifício e podem estar localizadas na região do estômago e do umbigo, por exemplo.

Já a diástase dos músculos retos abdominais — condição que afeta muitas mulheres que ficaram grávidas — é caracterizada por um estriamento dessa musculatura, o que provoca a separação de suas bandas centrais e o aparecimento de uma protuberância, já que o abdômen fica com um “abaulamento” bem característico.

Como funciona o procedimento cirúrgico?

A anestesia poderá ser geral ou peridural com sedação, dependendo de cada caso. O médico então realizará uma incisão horizontal na região um pouco abaixo do pubis. O comprimento da incisão é determinado de acordo com o grau de correção necessária. Os músculos abdominais enfraquecidos são corrigidos e o excesso de pele e gordura, retirados.

Por vezes, uma incisão em torno do umbigo é necessária, havendo posteriormente a recolocação do umbigo em sua posição original, dependendo do tipo de abdominoplastia.

Finalmente, ocorre em seguida o processo de fechamento das incisões, utilizando fios de sutura adequados, podendo também ser utilizado a cola de fibrina, de forma que a cicatrização seja maximizada e as marcas do procedimento sejam as mais discretas possíveis.

Quais são os tipos de abdominoplastia?

Ela pode ser efetuada de maneiras diferentes de acordo com o que foi proposto pelo cirurgião antes da cirurgia. Dessa maneira, a operação pode ser classificada em miniabdomem e abdominoplastia.

O miniabdomem, consiste na realização de uma incisão horizontal pequena na parede abdominal inferior e está voltada para a retirada de pequenas quantidades de peles. É um procedimento mais simplificado e recomendado para aqueles casos com pouco excesso de pele.

Por outro lado, existe a abdominoplastia completa. Nesse procedimento, a incisão se prolonga até as laterais dos quadris. É o método cirúrgico mais utilizado e requer o reposicionamento do umbigo ao final do processo.

Como é a cicatrização?

Essa cirurgia, em geral, deixa cicatrizes muito discretas e estão presentes no local onde ocorreu a incisão, podendo ser disfarçadas ao serem cobertas pelas roupas íntimas, por exemplo.

Na miniabdominoplastia os cortes são menores . Já na abdominoplastia completa, no entanto, pode haver dois tipos de cicatriz, de acordo com a necessidade técnica utilizada pelo cirurgião plástico.

Além do convencional corte horizontal no púbis, há casos em que um corte vertical passando pelo umbigo se mostra necessário. Esse método é conhecido como “incisão em âncora” ou “flor-de-lis”.

Essa técnica é indicada para pacientes que passaram por uma perda de peso muito grande, pois permite que haja uma maior retirada de pele e gordura na região central do abdomem. Ela possui esse nome por que a cicatriz apresenta-se em forma de âncora nos estágios iniciais, ficando mais clara e discreta com o tempo.

Quais as recomendações no pós-operatório?

Ao sair da internação, que demora cerca de 24 a 48 horas, é muito importante que o paciente siga todas as recomendações do médico no pós-operatório, tomando os cuidados necessários para que a recuperação seja a melhor possível.

Em casa, curativos ou bandagens podem ser aplicados às incisões. O paciente tem que fazer uma alimentação leve e permanecer em relativo repouso entre 20 a 30 dias, buscando não se esticar e em nenhuma hipótese fazer esforço. 

Por fim, recomenda-se o uso de uma cinta durante 30 dias, retirando-a somente nos banhos, para uma melhor recuperação. Uma dica é avisar os parentes antes da operação e deixar a casa preparada para esse período de reabilitação.

A abdominoplastia é uma cirurgia que aproveita da versatilidade médica e das técnicas inovadoras disponíveis na atualidade. Seus riscos são iguais aos de qualquer cirurgia e possui resultados realmente incríveis, quando o paciente se recupera corretamente.

Gostou do nosso texto? Inscreva-se no nosso site e fique por dentro de outros conteúdos sobre cirurgia plástica, saúde e bem-estar!

Cirurgia plástica pós-bariátrica: conheça os tipos mais procurados

O emagrecimento seguido de uma harmonia corporal, são objetivos a serem alcançados, quando estamos acima do sobrepeso. Quando, apesar das tentativas de tratar a obesidade com exercícios físicos e uma dieta alimentar adequada, os resultados não forem muito animadores, a alternativa é recorrer à cirurgia bariátrica para proteger sua saúde e recuperar o peso saudável. Apesar do sucesso da cirurgia bariátrica, ficam ainda alguns pontos importantes a serem corrigidos, como por exemplo o excesso de pele. Como solução para a correção desses pontos, temos a cirurgia plástica pós bariátrica, com a qual você poderá alcançar um contorno harmonioso para o seu corpo.

Para ajudar você a melhorar sua autoestima e o seu relacionamento social com a retirada do excesso de pele provocado pelo seu emagrecimento, preparamos este post. Nele, você encontra os principais tipos de cirurgia plástica realizados para a remoção da pele e gordura excedentes. Então, boa leitura!

O que pode ocorrer após a cirurgia bariátrica?

A cirurgia bariátrica é também denominada cirurgia de redução do estômago. Ela é a alternativa para os casos em que a obesidade alcançou níveis elevados e as atividades físicas e as mudanças nos hábitos alimentares já não surtem mais efeito. Essa operação é uma escolha cujas consequências serão as de mudar os hábitos cotidianos e a de melhorar a qualidade de vida de quem se submete a ela.

Ocorre que, após a cirurgia, a pele e os tecidos perdem a elasticidade e a sustentação por alterações metabólicas, ocasionando grandes sobras de pele, o que pode acarretar doenças específicas da pele ou problemas psicológicos relacionados com a autoestima. Como consequência desse excesso temos:

  • a dobra do abdômen pode se estender abaixo da região pubiana e em muitos casos atinge a região das coxas;
  • a flacidez toma conta dos braços;
  • pode ocorrer uma queda acentuada das mamas e os mamilos apontarem para baixo;
  • a gordura das nádegas pode diminuir a tal ponto, que ficar sentado por um período mais longo, pode ser muito desconfortável.  
  • coxas também podem apresentar flacidez ou excesso de pele.

Quais são os tipos de cirurgia plástica pós-bariátrica?

A intervenção cirúrgica, após uma considerável perda de peso, melhora a forma e o tônus do tecido subjacente, que é aquele que sustenta a gordura e a pele. Além disso, efetua a remoção do excesso de gordura e da flacidez da pele. Ao final, seu corpo pode ter, um contorno suave e harmonioso. Conheça as plásticas mais procuradas por aqueles que fizeram uma cirurgia bariátrica:

Abdominoplastia

Com essa cirurgia plástica é retirada a pele em excesso e a gordura situada no abdômen. Além de promover a reabilitação da solidez muscular na região, elimina as estrias localizadas abaixo da cicatriz umbilical. A recuperação da abdominoplastia se dará de forma satisfatória, desde que, você obedeça as recomendações médicas.

Após o ato cirúrgico é recomendável repouso e uma postura mais curvada para ajudar na recuperação da cicatriz. O uso de uma cinta modeladora auxilia no ajuste do formato da barriga, deixando você mais confiante e confortável, para aqueles movimentos permitidos pelo seu médico no pós-operatório.

O retorno às atividades de rotina depende de cada  paciente. A maioria das pessoas retoma as atividades cotidianas depois de 3 a 4 semanas.

Cirurgia das mamas

Existem diversos procedimentos que podem ser realizados nas mamas. Para os pacientes pós-bariátricos, a mamoplastia pode ser feita de quatro formas:

  1. mastopexia: a cirurgia é conhecida por lifting da mama. O cirurgião ergue os seios, através da retirada da pele excedente;
  2. mastopexia com implante mamário: seria o levantamento das mamas com o uso de implante de silicone. Está relacionada com o excesso de flacidez e a falta de tecido dentro das mamas. Nestes casos, o implante de silicone dará mais firmeza a elas;
  3. mamoplastia redutora: nesta cirurgia, é retirado tanto o excesso de gordura e glândula mamária como o excesso de pele, obtendo-se uma proporcionalidade entre o tamanho de mama e o tórax da paciente;
  4. cirurgia de colocação de implante mamário: ela utiliza os implantes para propiciar ou recuperar o tamanho da mama, indicada nos casos em que a redução de volume foi ocasionada pela perda de peso.

Dermolipectomia crural

A dermolipectomia crural é uma cirurgia plástica cuja finalidade é retirar a pele flácida, em excesso, acumulada na região interna das coxas. Esse acúmulo é resultante da perda de peso acentuada. É realizada por meio de uma incisão na virilha ou uma incisão em forma de “T”.

O tempo de maturação da cicatriz é de 6 meses. Apenas depois que passar esse período é que o resultado final da cirurgia poderá ser observado de maneira mais precisa. Entretanto, já nos primeiros meses, é possível ver o resultado, mesmo que exista um inchaço no local.  

Lipoaspiração da cintura com enxerto de gordura na região glútea

A lipoaspiração, atualmente, não é apenas um procedimento que realiza a retirada de gordura de uma região específica do corpo. Ela também é uma remodeladora corporal.

Por meio da utilização da gordura extraída e tratada, é possível corrigir defeitos gerados pela atrofia gordurosa e executar uma modelagem mais agradável do corpo.

A lipoenxertia de glúteos é um procedimento em que a gordura pode ser aplicada na região glútea, aperfeiçoando o seu desenho e consertando irregularidades ou acrescentando volume.

Dermolipectomia braquial

Essa cirurgia plástica, também conhecida como lifting de braço, é indicada para eliminar o excesso de gordura localizada, flacidez ou pele da região do braço, especialmente na área do tríceps. Ela pode ser realizada com ou sem lipoaspiração do local. Dependendo de cada caso a cicatriz poderá se localizar na axila ou em forma de “T”.

Ritidoplastia

A ritidoplastia ou lifting facial consiste em um procedimento que retira a flacidez da pele em áreas como rosto e pescoço. Ela atenua as rugas e retira os excessos de pele, possibilitando o rejuvenescimento facial. A performance do procedimento e o seu sucesso está condicionado às características de cada paciente.

Torsoplastia

A indicação predominante da torsoplastia é para eliminar o acúmulo de gordura na parte inferior das costas, correlacionado à flacidez e ao excesso de pele. Essa técnica cirúrgica melhora o contorno da região dorso-lombar. Pode ser associada com uma lipoaspiração adicional na região dos flancos.

Mesmo com o seu emagrecimento, ainda é difícil se olhar no espelho, tomar sol e fazer outros programas, porque o contorno do seu corpo ainda não está harmonioso. A cirurgia plástica pós-bariátrica é um recurso para que você recupere a autoestima e o bem-estar. Todavia, independente da operação, lembre-se de que a sua decisão deve considerar a melhor alternativa para solucionar um problema de saúde ou se seu resultado trará benefícios. Uma orientação profissional é indispensável nesse momento.

Esperamos que o post tenha sido útil. Inscreva-se para receber mais conteúdos e informações sobre este e outros temas relacionados à cirurgia plástica!

 

O que levar em conta ao escolher um cirurgião plástico?

O espelho nem sempre reflete aquilo que queremos ver. E, nessa busca pela imagem ideal, mais pessoas buscam alternativas na especialização de um cirurgião plástico.

A Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética (Isaps) revelou que 1.224.300 cirurgias plásticas foram realizadas no Brasil (dados de 2015), sendo o segundo país no ranking global .

A busca por um bom cirurgião plástico deve ser feito com planejamento e cautela. Por isso, preparar-se para solucionar todas as dúvidas é o caminho mais prático para a escolha certa.

Neste post, selecionamos algumas questões para orientar você na pesquisa pelo melhor cirurgião plástico. Confira!

O cirurgião plástico é um especialista?

A cirurgia plástica é uma especialidade da medicina, assim sendo, o cirurgião precisa necessariamente ser um especialista.

Por isso, é importante selecionar de maneira criteriosa o cirurgião plástico, para que você tenha uma solução harmoniosa para o seu contorno corporal ou facial, e, o mais importante, que você surpreenda-se com o resultado.

O profissional é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica?

Além de especialista, o cirurgião plástico traz mais segurança aos pacientes quando ele é um membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Para saber se os profissionais escolhidos em suas pesquisas preliminares são membros da sociedade, acesse o site e pesquise sobre eles. Para tanto, é importante que você relacione uma série de dados, como:

  • o nome do profissional;

  • o seu CRM (registro no Conselho Regional de Medicina).

Essas questões te ajudam a refinar sua pesquisa nas etapas seguintes, como veremos adiante.

Como aprofundar a busca por um cirurgião?

Além das informações citadas anteriormente, você pode fazer pesquisas online relacionadas ao nome e o CRM do médico nos mecanismos de busca.

Isso permite que você avalie se existem reclamações sobre ele ou mesmo elogios sobre o serviço. Aproveite para visitar (se houver) o site e as redes sociais do profissional. Lá, você pode ter um contato maior com quem já realizou qualquer tipo de procedimento com ele, e tirar suas dúvidas.

As qualificações profissionais são muito importantes?

Acreditamos que sim. Em recente estudo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, 63% dos processos decorrentes de erros médicos envolvem a falta de especialização dos profissionais.

É importante, então, saber como o cirurgião se mantém atualizado na prática médica. Podem ser cursos de aperfeiçoamento profissional ou mesmo a participação em congressos, palestras e outros tipos de eventos profissionais. Quanto mais ele se dedica em desenvolver suas habilidades e competências, mais segurança ele pode transmitir aos pacientes.

O que perguntar ao médico?

Além de todas as questões relacionadas à sua situação, você pode enriquecer a sua pesquisa questionando o próprio cirurgião. Entre as perguntas mais importantes, destacamos as seguintes:

  • como é o ambiente onde será realizada a cirurgia?

  • eles trabalham com todos os equipamentos necessários — até mesmo os emergenciais?

  • qual é o tempo aproximado do procedimento?

  • quais são os riscos que envolvem a cirurgia?

  • como será a recuperação durante o pós-cirúrgico?

  • existe a possibilidade de um acompanhante no local?

  • quantas pessoas fazem parte da equipe do cirurgião?

Sobre essa última questão, vale observar que a equipe de um cirurgião plástico é composta por ele, um cirurgião auxiliar, profissionais para manusear os instrumentos e a anestesia, além de uma pessoa especializada em enfermagem. Uma equipe maior pode oferecer mais segurança e garantir mais tranquilidade aos pacientes.

O que mais posso extrair do médico?

Com todas as respostas em mãos, é hora de avaliar também como é a relação do médico com os pacientes. Afinal, ele deve trazer segurança e desfazer preocupações variadas que vão além do procedimento cirúrgico.

Por isso, analise se ele demonstra preocupação com seu bem-estar ao longo do atendimento, pois é importante que o profissional acompanhe você por todo o processo, além de estar presente para atestar o momento certo para a alta hospitalar e passar as devidas orientações para você se cuidar em casa.

Em quais hospitais o cirurgião opera?

De maneira complementar às suas pesquisas, é válido descobrir em quais hospitais o profissional tem o costume de trabalhar. Independentemente de ser um local tradicional no mercado ou não, a informação é valiosa para sua pesquisa.

E isso se deve ao fato de que você pode identificar qualidades e pontos de atenção a respeito do lugar. Como exemplo, podemos citar a habilitação do estabelecimento pela Vigilância Sanitária.

Outra ideia interessante consiste em seguir os mesmos procedimentos online efetuados com o médico: visitar o site e as redes sociais do local.

O hospital ou clínica oferece respaldo?

Caso queira saber um pouco mais sobre o local onde o procedimento será realizado, uma visita presencial é muito bem-vinda e pode ajudar a esclarecer suas dúvidas.

Assim, você pode averiguar por conta própria se os ambientes são limpos e higienizados, se tudo está regularizado segundo as determinações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e se alguns critérios básicos atendem às suas exigências, como:

  • apresentação dos ambientes no geral;

  • atenção e simpatia dos funcionários de atendimento e do corpo médico;

  • quantidade de profissionais presentes no local.

Outro ponto relevante é a verificação do respaldo que o hospital ou clínica oferece. Por exemplo, os pacientes são enviados a outro hospital diante de um imprevisto ou o local se destaca pela capacidade operacional de atender eventuais intercorrências?

Quem mais pode me ajudar nessa orientação?

Se você estiver em busca de indicações, a melhor maneira é encontrar referências com algum familiar, amigo ou conhecido. Ninguém melhor do que aqueles próximos a você para sugerirem alguém que eles confiem e sintam-se seguros em indicar. Por meio dessas recomendações, você consegue avaliar com precisão se o cirurgião plástico pode atender aos seus objetivos e necessidades.

E então, o que achou das questões que selecionamos para você escolher, sem nenhuma dúvida, o melhor cirurgião plástico? Agora, para colocar em prática as dicas que trouxemos neste artigo, entre em contato conosco e descubra como a Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo tem se preparado há 30 anos para surpreender seus pacientes.

Implante de silicone nos seios: 13 coisas que você precisa saber

O implante de silicone nas mamas é uma das cirurgias estéticas mais realizadas em nosso país. A mamoplastia de aumento, como também é conhecido esse procedimento, é usada para aumentar o tamanho dos seios ou corrigir a flacidez da pele. Ela pode, ainda, combinar os dois benefícios em pacientes que tenham tido uma perda mamária expressiva em função do emagrecimento.

Atualmente, não é difícil encontrar materiais que explicam cada pormenor da técnica. Com uma busca rápida na Internet, você pode facilmente achar informações sobre a cirurgia e os cuidados pré ou pós-operatórios. Ainda assim, há diversas questões que incitam dúvidas.

Pensando nisso, preparamos uma lista com 13 informações úteis, porém não tão difundidas, sobre o implante de silicone nos seios. Boa leitura!

1. As próteses de silicone duram para sempre?

As próteses de silicone não duram para sempre. É preciso realizar acompanhamento médico anualmente para avaliar o estado dos implantes. Em geral, a troca do implante mamário é recomendada em intervalos de 10 a 15 anos.

Há duas situações que exigem a troca imediata do implante: a ruptura e o encapsulamento. A ruptura da prótese é, normalmente, causada por um forte trauma na região dos seios.

Já o encapsulamento é uma reação exacerbada do corpo à prótese, deixando a mama endurecida e podendo causar dor. O acompanhamento regular com o cirurgião plástico é essencial para a detecção precoce desses problemas.

2. A mamoplastia de aumento corrige seios caídos?

A mamoplastia de aumento não corrige seios caídos, porém, em alguns casos, é possível combinar a cirurgia para implante de silicone com o procedimento para elevação da mama. O cirurgião plástico é o especialista indicado para avaliar a conduta que trará os melhores benefícios estéticos.

3. A decisão pela cirurgia depende exclusivamente de você

A cirurgia para implante de silicone é importante para que a mulher alcance a harmonia que procura em seu corpo. A decisão de se submeter à mamoplastia de aumento é pessoal, já que nenhum procedimento estético deve ser realizado com o intuito de agradar qualquer pessoa que não a si próprio.

4. Além do tamanho, a forma do implante de silicone é importante para um resultado final harmonioso

A prótese deve ser escolhida levando em consideração o biotipo de cada paciente, de forma a proporcionar um resultado final harmonioso. Alguns formatos existentes são: cônicas, redondas de perfil alto ou baixo e gotas (anatômicas). Lembre que aquilo que fica mais natural em uma mulher, pode não funcionar para outra.

5. Não chegue na primeira consulta achando que todas as decisões já foram tomadas

Essa dica é uma continuação da anterior. Você pode até ter coletado muitas informações de antemão e ter sua opinião sobre os melhores tamanhos, formatos ou tipos de incisão. Entretanto, você deve ouvir as recomendações do seu médico antes de tomar qualquer decisão. 

6. A cicatriz pode ser disfarçada, mas não fica invisível

Embora as incisões sejam feitas em áreas discretas (nos sulcos das mamas, ao redor das aréolas ou nas axilas), as cicatrizes podem ser percebidas. O local do corte varia de acodo com a indicação do cirurgião plástico e com a anuência da paciente.

7. Você pode achar seus seios esquisitos no início

O aumento repentino das mamas, somado ao inchaço comum do pós-operatório, pode causar um estranhamento nos primeiros dias depois da cirurgia. A boa notícia é que tanto o edema quanto a sensação de que tem algo esquisito passam após alguns dias.

8. O sucesso do procedimento depende tanto de um bom cirurgião quanto das expectativas da paciente

Sem dúvida nenhuma, escolher um cirurgião plástico qualificado é um passo muito importante para a obtenção de bons resultados. Entretanto, é preciso ter expectativas realistas com a cirurgia. Caso contrário, não importa o sucesso do procedimento do ponto de vista físico. Ainda assim, a paciente ficará insatisfeita.

9. O implante de silicone nos seios é recomendado para todas as mulheres?

Além de ser contraindicada para pacientes que buscam resultados inatingíveis, a mamoplastia de aumento não é recomendada para adolescentes que ainda estejam na fase de crescimento.

Algumas condições também elevam consideravelmente os riscos da cirurgia e devem ser tratadas antes da realização do implante. É o caso, por exemplo, do excesso de peso e do tabagismo.

10. Como toda cirurgia, o implante de silicone nos seios também pode ter complicações

As próteses de silicone não são prejudiciais à saúde das mamas. Porém, a colocação dos implantes apresenta alguns riscos cirúrgicos e anestésicos. Por isso, o médico costuma solicitar uma série de exames pré-operatórios e fazer um histórico médico detalhado a fim de reduzir o aparecimento de consequências desagradáveis.

Os riscos da cirurgia incluem problemas de cicatrização, infecção, dor, formação de tecido cicatricial ao redor da prótese e resultados diferentes do imaginado. Cabe ressaltar, entretanto, que esses riscos são pequenos quando a cirurgia é realizada por um profissional experiente em um centro médico qualificado.

11. É preciso fazer um planejamento pós-cirurgia

A cirurgia para implante de silicone nos seios dura cerca de 2 horas e, normalmente, a paciente é liberada para voltar para casa no mesmo dia ou no dia seguinte.

Entretanto, para uma boa recuperação, a rotina precisa sofrer algumas alterações. O médico, possivelmente, fará algumas recomendações a recém-operada, tais quais:

  • manter repouso total por um ou dois dias;
  • restringir as atividades cotidianas (trabalhar, fazer compras e dirigir, por exemplo);
  • evitar a exposição solar a fim de evitar o surgimento de manchas;
  • não praticar exercício físico por algumas semanas ou meses.

12. A prótese de silicone não causa câncer nem impede a amamentação

Dois mitos frequentemente associados ao implante de silicone nos seios, porém infundados. O risco de desenvolver câncer de mama não é maior em mulheres com próteses. Além disso, a amamentação não é prejudicada pelos implantes.

Entretanto, a mulher deve esperar alguns meses para engravidar após realizar a mamoplastia de aumento. Para aquelas que amamentam, a recomendação é realizar o procedimento apenas após cessar completamente a produção de leite.

13. A sensibilidade nos mamilos pode mudar após a colocação dos implantes

A diminuição da sensibilidade nas mamas pode ocorrer de forma temporária ou permanente. O risco é maior em pacientes que optam por próteses mais volumosas colocadas por via periareolar.

E então? Gostou de conhecer um pouco mais sobre o implante de silicone nos seios? Se você ainda tem dúvidas ou quer compartilhar algo conosco, não esqueça de deixar o seu comentário!

 

 

A importância da autoestima feminina para você gostar do seu corpo

A autoestima feminina diz respeito à valorização de características pessoais (físicas e emocionais) — e não apenas a uma atitude positiva em relação à vida. É atributo de mulheres que, conscientes de sua importância no mundo, estão sempre buscando meios se destacar, seja na vida pessoal, profissional ou social. 

A autoestima elevada surge a partir de atitudes positivas e acompanha a pessoa durante toda a vida. Crianças que tiveram problemas de autoestima baixa possivelmente serão adultos retraídos e inseguros. Da mesma forma, aquelas que cresceram rodeadas de amor e valorização de suas qualidades tornam-se adultos confiantes.

Neste post, vamos falar sobre a importância de cultivar este sentimento e como ele contribui para uma vida saudável. Confira!

Importância de gostar de si mesmo

Muita gente fala que amor-próprio é fundamental. Mas será que as pessoas realmente sabem por que gostar delas mesmas é tão importante? 

Se você observar ao redor, indivíduos com a autoestima elevada se relacionam melhor com o mundo que os cerca e se destacam nos diferentes setores da vida profissional. Isso acontece porque eles se consideram capazes e merecedores do que há de melhor — e, assim, atraem bons relacionamentos, amizades, oportunidades de trabalho e prosperidade.

A mulher que se ama se cuida. Ela capricha no visual, adota hábitos saudáveis, cuida do corpo e da mente e acredita em seu próprio potencial para realizar mudanças ou conquistar objetivos. É por isso que a autoestima elevada é importante: a pessoa passa a reconhecer seu próprio valor.

Em contrapartida, quem possui problemas de autoestima vive à sombra da opinião alheia, sempre com medo de correr riscos e experimentar algo novo. Geralmente, estão insatisfeitas com a própria aparência ou com o emprego que possuem e vivem dilemas intermináveis.

Benefícios da autoestima elevada

O maior benefício de gostar de si mesmo é não viver em guerra pessoal o tempo todo. Quem se aceita — mesmo com todos os defeitos que possa ter — vive melhor. No entanto, a autoestima feminina não se reserva apenas a essa vantagem. Ela também:

Transforma as relações

Muitas vezes, as relações se desfazem porque um dos parceiros se coloca em posição inferior ou reclama de tudo. Com certeza, é mais fácil e prazeroso conviver com uma pessoa que se valoriza e não se submete a situações de abuso.

No momento em que a postura adotada é de autoestima, as relações se transformam para melhor, pois a mulher busca companhias (amorosas, profissionais e sociais) sadias. Sem contar que ela começa a atrair pessoas que estão em sintonia com seus ideais para seu círculo de convivência.

Melhora o humor

Quem não tem problemas de autoestima vive em paz com a vida que possui. Não há motivo para reclamar, já que existe aceitação. Se, por acaso, alguma coisa incomoda, a pessoa busca meios de melhorar. Por exemplo: se a mulher está acima do peso e não se sente bem com isso, promove ações para emagrecer.

E, caso esteja insatisfeita com alguma parte de seu corpo, pesquisa sobre procedimentos estéticos. Enfim, ela muda a situação e não deixa que isso abale seu humor.

Promove a longevidade

Partindo do pressuposto que a autoestima leva as mulheres a cuidarem melhor de si mesmas, pode-se dizer que elas melhoram a qualidade de vida e, consequentemente, favorecem a longevidade. Pessoas bem resolvidas sabem o que querem e saem em busca disso.

Elas querem viver mais e melhor. Em vez de se esconderem de si mesmas e dos outros, preferem viver de forma saudável, exercitando o corpo, comendo bem e fazendo atividades que melhorem a saúde mental e emocional. Todas essas ações aumentam a expectativa de vida.

Proporciona satisfação pessoal

A satisfação pessoal se refere à aceitação do próprio corpo e das características que compõem a personalidade de uma pessoa. Ter autoestima é olhar a si mesmo no espelho e aceitar a imagem que ele reflete. Mais do que isso, é um passo importante para admitir quando é preciso melhorar e encarar as mudanças positivamente.

Dicas para elevar a autoestima feminina

Chegou até aqui e descobriu que precisa desenvolver a autoestima para aproveitar os benefícios que ela oferece? Veja algumas orientações que separamos para você: 

Busque o autoconhecimento

Como você poderá gostar de si mesma se não conhece a pessoa que está aí dentro? O autoconhecimento ajuda a promover esse encontro e, quando isso acontece, fica mais fácil reconhecer seu valor interior para depois admirá-lo.

Pense positivamente sobre você

Ninguém é perfeito — e você não é exceção. Sempre tem um aspecto em nós que gostaríamos de mudar, mas não adianta ficarmos nos martirizando, como se nada pudesse ser feito.

É possível vivenciar as dificuldades de forma positiva, sem focar no sofrimento, principalmente quando se trata do próprio contexto em que vive. O importante é, em vez de criar crenças que limitam suas potencialidades, criar outras que favorecem sua autoestima, ou seja, o amor-próprio.

Não se cobre muito

Ninguém vai conseguir agradar a todos. Por isso, não seja seu maior crítico: faça o que pode fazer e lembre-se de dar um passo de cada vez. Isso significa respeitar o ser humano que você é.

Quando as coisas não saírem como foram planejadas, perdoe-se. Lembre-se de que seu caminho é uma construção (e os erros também ensinam).

Capriche no visual

A aparência de uma pessoa é o reflexo da forma como ela se sente em relação a si mesma. Quer ter autoestima? Comece cuidando do seu visual. Adote um estilo que reflita sua personalidade. Use roupas que façam você se sentir bem e não leve considere a opinião alheia. 

Experimente coisas novas

A vida é movimento — e você, como parte dela, deve seguir essa dinâmica. Viaje, mude o corte de cabelo, adote um jeito novo de viver. Não deixe que o medo ou a insegurança criem bloqueios desnecessários. 

Como você pode notar, a autoestima está diretamente relacionada à aceitação da pessoa, principalmente no que se refere à sua beleza física. Ainda bem que é possível desenvolvê-la por meio de atitudes, como foi mostrado neste artigo. 

Agora que você entendeu o que é autoestima feminina e como ela é importante, que tal nos dizer o que achou? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe sua opinião!

Como melhorar a autoestima pós-bariátrica com a cirurgia plástica?

A intervenção cirúrgica é uma alternativa eficaz para vencer a obesidade e conquistar um peso saudável, principalmente nos casos em que a pessoa já tentou de tudo e não teve o resultado que esperava.

No entanto, ao final do processo de emagrecimento proporcionado pela cirurgia, muitas pessoas chegam à conclusão de que seu contorno corporal ainda não corresponde às suas expectativas. Por isso a cirurgia plástica pode ser a alternativa mais recomendada para quem quer recuperar a autoestima pós bariátrica

E você, já pensou em como a associação da bariátrica e cirurgia plástica podem ajudar a recuperar sua autoestima? Sabe que esse tipo de procedimento também contribuirá para a solução de alguns problemas decorrentes do excesso de pele que causam desconforto ao paciente?

Quer entender mais sobre o assunto e descobrir se esse procedimento é adequado ao seu caso? Então, continue a leitura deste post e confira as informações imperdíveis que selecionamos para você!

A importância da cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica — também chamada de redução de estômago — é um procedimento cada vez mais procurado por um grande número de pacientes. A aplicação adequada da técnica vai muito além das questões estéticas envolvidas na perda de peso.

Ela é uma aliada importantíssima para a melhoria da qualidade de vida das pessoas que apresentam obesidade mórbida, sendo indicada para pacientes que estão com pelo menos 45 quilos acima do recomendado por especialistas ou com Índice de Massa Corporal (IMC) superior a 35 ou 40.

Sabemos que essa condição deixa os indivíduos propensos a vários problemas de saúde. Por isso, é importante combater a obesidade de diversas formas e, em alguns casos, a intervenção cirúrgica é o caminho mais adequado e mais eficaz.

Por isso, a cirurgia bariátrica pode ser recomendada também para indivíduos com doenças graves como diabetes, hipertensão, apneia do sono, dislipidemia e até problemas ortopédicos.

O resultado é rápido: o paciente perde peso em um curto espaço de tempo, se enquadra nos índices de massa corpórea ideais para sua altura e conquista um nível de saúde muito importante para seu bem-estar, longevidade e qualidade de vida.

Essa intervenção pode ser classificada em 4 tipos regulamentados pela ANS, de acordo como a forma como trabalha a eliminação do peso:

  • gastroplastia em Y: reduz a capacidade do estômago restringindo a quantidade de alimento consumida para 10%  desviando-os para o duodeno;
  • gastrectomia vertical:  torna o estômago um tubo estreito ao remover cerca de 80% de sua estrutura;
  • derivação bileopancreática:  a redução do estômago é feita em conjunto com um desvio intestinal, inibindo a absorção calórica;
  • banda gástrica ajustável:   inserção de um dispositivo de silicone no começo do estômago.

É importante lembrar que a recomendação para qualquer um dos tipos de cirurgia dependerá da indicação de um profissional da área.

As consequências da cirurgia bariátrica e perda acentuada de peso

Após a cirurgia, o paciente precisa de acompanhamento adequado para que não apresente problemas importantes para a saúde, como deficiências nutricionais.

Porém, para muitos o principal problema não é esse. Mesmo que perca uma quantidade considerável de gordura corporal, aquela pessoa continuará “habitando” a mesma pele, que estava acostumada a comportar um volume muito maior.

Isso significa que, mesmo que olhe no próprio espelho e veja uma pessoa magra, o paciente irá se deparar com um contorno corporal diferente do que ele desejava. Haverá sobras de pele em diversas regiões do corpo.

O abdômen, a parte posterior do braço e as coxas estão entre as regiões que mais apresentam essas sobras. Dependendo do volume perdido, pode haver outras partes afetadas como rosto e papada. No caso das mulheres, as mamas também tendem a ficar muito flácidas pois é uma região que é constituída principalmente por tecido adiposo.

Portanto, mesmo que a balança mostre que a pessoa está magra, o fato é que ela ainda não se sente confortável com o próprio corpo. As sobras podem produzir volumes estranhos e incômodos sob as roupas, e muitos pacientes se sentem inibidos para utilizar principalmente trajes de banho ou roupas mais frescas e abertas no verão.

As vantagens da cirurgia plástica pós-bariátrica

É nesse contexto que a cirurgia plástica se mostra como uma excelente alternativa para corrigir esse problema. Ela é capaz de garantir o contorno corporal que a pessoa deseja, contribuindo para o aumento da autoestima pós-bariátrica.

Quer saber quais são as vantagens da cirurgia plástica para os pacientes que passaram por uma cirurgia bariátrica? Acompanhe!

A harmonização do contorno corporal promove a autoaceitação

Depois de tanto esforço para perder peso e de enfrentar um procedimento tão invasivo, a pessoa merece o direito de olhar para o espelho e encontrar a imagem que ela sempre desejou ter.

A plástica pós-bariátrica contribui para que o paciente alcance o corpo desejado, possa utilizar as roupas que sonhou e tenha sua autoestima aumentada.

A cirurgia plástica elimina fontes de desconforto

Além das questões relacionadas ao contorno corporal, muitas pessoas que perderam peso após a bariátrica se queixam de desconfortos relacionados ao excesso de pele.

Esses excedentes formam dobras que, especialmente em períodos de calor, acumulam suor e podem dar origem a assaduras, feridas e escaras. A única alternativa para solucionar esse tipo de desconforto é retirando a pele em excesso.  

A correção do contorno corporal soluciona esses problemas, o que inclusive ajuda o paciente a ter mais energia para realizar suas atividades diárias e se envolver com a prática de esportes e exercícios físicos.

Sem as sobras de pele de antes, ele sabe que pode se movimentar e suar sem que isso represente um risco quanto ao surgimento de feridas e outros desconfortos que enfrentava antes da cirurgia plástica.

A cirurgia plástica é um complemento importante ao tratamento da obesidade mórbida

Esse é um entendimento não só de médicos e pacientes. O próprio Tribunal de Justiça de São Paulo, depois de julgar casos relacionados a pacientes que requerem o direito a esse tipo de intervenção, afirmou que as cirurgias plásticas complementares ao tratamento de obesidade mórbida não podem ser consideradas simplesmente estéticas.

Entende-se que as pessoas que emagrecem 40, 50 quilos ou mais ficam com um excesso de pele capaz de gerar desconfortos, problemas de pele, de saúde e psicológicos. Portanto, é necessário complementar o tratamento com a retirada desse excedente.

A cirurgia plástica motiva o paciente a permanecer firme no tratamento

Ao perceberem que a perda de peso não garantiu um contorno corporal compatível com suas expectativas, muitos pacientes podem se sentir desanimados.

Nesses casos, a combinação entre decepção e ansiedade pode ser um gatilho para o retorno a hábitos alimentares prejudiciais, colocando em risco todo o resultado obtido no tratamento.

Já quando o paciente se submete à cirurgia plástica e conquista o corpo desejado, essa satisfação funciona como um antídoto que reduz a ansiedade e contribui para a manutenção de uma rotina saudável.

Depois de ver seu objetivo atingido, grande parte dos pacientes consegue se manter firme a um programa alimentar mais saudável, necessário para preservar o contorno corporal conquistado.  

Finalmente, quem acredita que é possível emagrecer muito (especialmente em um período de tempo curto) e obter um bom contorno corporal está criando expectativas que não correspondem à realidade.

Esse fato é tão certo que mesmo as celebridades, que contam com uma infinidade de recursos e procedimentos estéticos, recorrem a esse tipo de procedimento.

Artistas nacionais e internacionais — como Sharon Osbourne, Solange Couto, Solange Almeida (Aviões do Forró) e André Marques — são alguns dos famosos que reconhecem que a cirurgia é essencial para atingir o resultado desejado.

Tipos de cirurgias plásticas pós-bariátricas mais procuradas

Como vimos, existem diversos benefícios para a realização de uma cirurgia plástica pós bariátrica. As principais intervenções realizadas com o intuito de devolver o tônus muscular e a autoestima são:

  • abdominoplastia: uma das mais procuradas, consiste na retirada de excesso de gordura localizada na região do abdômen promovendo a solidez muscular da região e eliminação das estrias;

  • cirurgia das mamas: correção do formato, redução de excesso de pele e implante de silicone com o objetivo de torná-las mais harmônicas com o restante do corpo;

  • dermolipectomia crural: cirurgia plástica para a remoção da flacidez na região interna das coxas;

  • lipoaspiração e lipoescultura: além de remover o excesso de gordura em algumas partes do corpo (sobretudo abdominal) é feito um enxerto do tecido adiposo em outras regiões como nos glúteos;

  • dermolipectomia braquial: também chamado de lifting nos braços, é feita quando há excesso de pelo na região interna na região;

  • ritidoplastia: cirurgia plástica que retira a flacidez da pele em áreas como pescoço e rosto

  • torsoplastia: é indicada para casos em que há excesso de pele na região inferior das costas.

Dicas para recuperar a autoestima após a cirurgia bariátrica

Tendo em vista que o momento que sucede a cirurgia plástica pode ser repleto de desafios, separamos algumas dicas e cuidados fundamentais para passar por esse período sem perder a autoestima e mantendo o equilíbrio físico e mental. Confira!

Não descuide da alimentação

Logo após a cirurgia bariátrica, é preciso que o paciente adapte a sua alimentação, tendo em vista a nova rotina e as limitações do corpo nesse período, por isso, é muito importante fazer o acompanhamento com um nutricionista para ajustar a ingestão dos alimentos no momento certo.

É importante lembrar que, mesmo com a perda de peso, é preciso adotar hábitos saudáveis de alimentação, que incluem a ingestão de carboidratos integrais, proteínas magras, frutas, verduras, gorduras boas e sempre evitar produtos industrializados.

Devido a intervenção no estômago e intestino ocorre uma mudança na forma como o organismo absorve os nutrientes, o que pode levar a deficiências nutricionais. Por essa razão, é importante priorizar uma alimentação rica em nutrientes e vitaminas e considerar a inserção de suplementação de acordo com as indicações do nutricionista.

Continue com a prática de exercícios

Os exercícios físicos são fundamentais para quem busca boa forma física e ter um corpo saudável, afinal, a prática constante elimina o risco de uma série de doenças.

Da mesma forma, a prática de atividade física depois de uma cirurgia de redução de estômago contribui para autoestima. Isso acontece por, basicamente dois motivos: o primeiro, e mais óbvio, é que exercícios como a musculação, promove o ganho muscular, minimizando a flacidez.

O outro é que os exercícios físicos liberam hormônios como a endorfina, responsáveis pelo sentimento de prazer e satisfação, o que contribui para uma melhor autoaceitação.

Caso não esteja habituado, procure a orientação de profissional de educação física e inicie a prática aos poucos.

Não se esqueça de cuidar da mente

Da mesma forma que é importante cuidar da alimentação e do físico, o período após uma intervenção bariátrica deve ser também, de cuidado com a mente.

Reforçando a ideia de um acompanhamento multidisciplinar, é fundamental que pacientes que tenham passado pela intervenção tenham um psicólogo de confiança para acompanhar e orientar todas as etapas do processo que, como vimos, pode ter altos e baixos.

Além disso, é possível cuidar da mente adotando hábitos como meditação, ter momentos para hobbies e atividades de lazer, dormir bem e estar ao lado de pessoas importantes em sua vida.

Veja se é o momento certo e fazer uma cirurgia

Na maioria das vezes, bariátrica e cirurgia plástica são procedimentos que andam juntos. Mas, é importante ressaltar que, antes de tomar a decisão é preciso pensar bastante e pedir ajuda a profissionais para entender se este é realmente o momento de passar por outra intervenção.

Além disso, é preciso que a saúde esteja em dia para se submeter a outro procedimento, sendo, portanto, fundamental cuidar da alimentação, do corpo e da mente.

Procure por uma clínica de cirurgia plástica conceituada

Depois de ter certeza que é o momento certo de fazer uma plástica pós bariátrica, o próximo passo é procurar por clínicas de cirurgia plástica conceituadas para a realização do procedimento.

O ideal é pesquisar bastante, pedir opinião de pessoas que já fizeram o procedimento, ler depoimentos na internet, visitar o site da empresa e, se possível, conhecer o estabelecimento pessoalmente.

Isso porque, para a realização da cirurgia com segurança, a clínica precisa ter toda a estrutura para os procedimentos de rotina, além de estar preparada para possíveis emergências. Sem contar a obrigatoriedade de profissionais que sejam credenciados pela SBCP — Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Por fim, converse com o cirurgião sobre a sua expectativa e os resultados possíveis e veja se é exatamente isso que você quer.

Ao longo deste texto foi possível perceber que é comum fazer a bariátrica e a cirurgia plástica. mas , para que o procedimento tenha o resultado esperado e você recupere a autoestima pós-bariátrica, esteja cercado de bons profissionais.

Entendeu como a plástica pós-bariátrica contribui para o aumento da autoestima e melhoria na qualidade de vida das pessoas? Se você ficou interessado em saber mais sobre o assunto, entre em contato conosco que tiraremos todas as suas dúvidas sobre este assunto.

Navegação