Conheça a história de Luciana Veiga e sua relação com a cirurgia plástica

Uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde constatou que uma entre cinco pessoas brasileiras são obesas (18,9%), e nas capitais, mais da metade (54%) estão acima do peso. Para tentar buscar uma vida saudável elas investem em uma boa alimentação e exercícios físicos, porém, nem sempre isso é suficiente para emagrecerem. Dessa forma, recorrem à operação bariátrica e depois a cirurgia plástica para retirada do excesso de pele

Dentro dessa estatística se encontrava a paulistana e comerciante Luciana Veiga, de 43 anos, com seus 114 quilos. A sua luta para emagrecer era intensa com diversos tipos de regimes, exercícios, medicamentos, sérios problemas de saúde até que tomou uma decisão acertada para se sentir saudável novamente. 

Ficou curioso? Continue a leitura para conhecer a história desta mulher decidida que teve sua saúde de volta. 

O que a obesidade provocou na saúde? 

Luciana nunca foi uma menina magra, tinha suas “gordurinhas” que não a incomodavam tanto. Geralmente, seu peso ficava entre de 74 a 76 quilos, era adequado a estatura de 1 metro e 69 centímetros, mas aos 25 anos começou a engordar devido a problemas de tireoide. Aliado a isso, passou a comer fora do horário por causa do trabalho no comércio e, ainda, a consumir uma alimentação errada. Conclusão, viu a balança acusar 114 quilos.

O problema, porém, não estava somente no peso, mas nas consequências que isso trouxe para a sua saúde. Como a hipertensão desregulada, retenção de líquido, complicações nos joelhos e na coluna. “Consegui o direito de isenção de impostos para comprar um carro adaptado, por conta das doenças nos joelhos em decorrência da obesidade”, lembra a comerciante. 

Além das dificuldades com a saúde, a obesidade afetou a sua autoestima, pois é muito vaidosa, gosta de roupas boas e na moda. No entanto, chegou ao ponto tinha dificuldades para encontrar roupas que servissem. Quando uma peça dava certo, não era o seu estilo. 

Essas situações geravam muita angústia e depressão. Regimes e remédios manipulados faziam pouco efeito em seu corpo. E, quando engordava, recuperava mais do que perdeu. O efeito sanfona provocava muito questionamento sobre a qualidade de sua vida. 

Como se decidiu pela cirurgia? 

“Cheguei a um ponto que não aguentava mais, eu precisava dar um basta. Procurei alguns cirurgiões que disseram que eu tinha que fazer academia. Até que encontrei um profissional consciente que deu a solução para o meu problema. A cirurgia bariátrica com o método bypass”, informa Luciana. Esse procedimento consiste na redução do estômago e do intestino para que a pessoa coma menos, gerando perda de peso de até 70% do valor inicial. 

Como é uma pessoa decidida, a paulistana resolveu enfrentar suas inseguranças, realizou todos os exames pré-operatórios que eram necessários e fez a cirurgia bariátrica. Contudo, sua jornada não acabou aí. Devido à intervenção, a Luciana começou a emagrecer, perdendo 40 quilos. Isso ocasionou excesso de pele. 

Assim, percebeu que não adiantava fazer somente a bariátrica e ter sobras de pele provocando constrangimento para ir à praia ou usar certos modelos de roupas. Dessa maneira, ela ficou satisfeita com a redução de peso, mas não com a estética do seu corpo. 

Procurou o endocrinologista que fazia o acompanhamento da sua saúde para buscar indicação de um cirurgião plástico. Ele recomendou o Dr. Lecy Marcondes, da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica de São Paulo. 

“Fiz uma consulta com ele e me senti muito à vontade. Após um ano da bariátrica, eu estava, novamente, entrando em outra cirurgia para fazer abdominoplastia e mamoplastia. A barriga que eu tenho hoje, eu não tive no passado. Era um sonho. Eu nunca usava um cinto e hoje não tem uma calça que fique sem cinto, é algo fantástico”, comenta a paciente. 

Depois de um ano e três meses ela trocou a prótese mamária e fez lipoaspiração nas costas, braços e pernas. “Ninguém percebe que passei por tantas intervenções para hoje exibir um corpo delineado e com 78 quilos”, enfatiza ela. 

De que maneira o atendimento influenciou na decisão? 

Segundo Luciana, desde a primeira consulta com Dr. Lecy Marcondes houve uma empatia. O médico foi consciencioso e profissional, dando todas as explicações necessárias para que a paciente tivesse segurança para realizar os procedimentos. 

A equipe qualificada, com diversos profissionais, auxilia o cirurgião plástico desde o atendimento, na operação e no pós-operatório. Ajudando os pacientes de todas as maneiras para que eles se sintam satisfeitos. 

Outro fator determinante foi o credenciamento de todos os envolvidos junto às Sociedades e Instituições de classes de suas categorias, tanto nacionais quanto internacionais. As cirurgias são realizadas dentro de um hospital, proporcionando proteção aos pacientes. 

As cirurgias reparadoras podem ser feitas pelo plano de saúde ou Sistema Único de Saúde (SUS). Ambos cobrem os procedimentos para corrigir problemas derivados da obesidade como o excesso de pele. Após o emagrecimento proveniente da cirurgia bariátrica. Porém, os laudos médicos devem comprovar dermatites nas dobras, dificuldade na locomoção e na movimentação dos braços devido à flacidez.

“Considero que valeu muito a pena enfrentar todas as cirurgias e os pós-operatórios, pois cheguei a usar manequim 52 e agora uso 42, há uma grande diferença. Hoje eu sou uma pessoa renovada com muita autoestima”, conclui Luciana Veiga, acrescentando que come todos os alimentos com moderação, exceto o refrigerante que resolveu eliminá-lo. Na sua preferência é mais importante comer bem do que beber algo. Afinal, o espaço do seu estômago diminuiu e a mentalidade mudou. 

A comerciante se sente tão realizada por ter feito a cirurgia plástica, depois da bariátrica, que já indicou o procedimento e o Dr. Lecy Marcondes para diversas pessoas. Elas se submeteram às operações e se encontram em um novo estilo de vida, de acordo com a paulistana. 

Gostou da história da Luciana Veiga e das fases que teve de enfrentar para alcançar o sonho de ter saúde e um corpo mais magro? Se está passando pela mesma situação e se sente inseguro para decidir, não fique aí parado. Entre em contato com nossa Clínica para que possamos dar todas as explicações para suas dúvidas e assim se decidir a melhorar sua autoestima.

A realização de cirurgias plásticas está cada vez mais comum, segura e acessível. Por essa razão, cada vez mais pessoas recorrem a um cirurgião plástico para melhorar aspectos que não estão agradando em seus corpos.Powered by Rock Convert
banner clínica integrada de cirurgia plásticaPowered by Rock Convert
Dr. Lecy Marcondes

DR. Lecy Marcondes

Dr Lecy Marcondes Cabral, Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Fellow do Colégio Internacional de Cirurgiões, 35 anos de profissão, graduou-se, em 1982, em medicina pela Faculdade de Medicina de Pouso Alegre, em Minas Gerais:

  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Integra o Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz e do Hospital Israelita Albert Einstein.
  • Pesquisador na área de Cirurgia Plástica
  • Premiado nos Fóruns de Pesquisa do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Autor de capítulos de livros publicados nas áreas de cirurgia e cirurgia plástica.
  • Diretor e Responsável da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Navegação