Excesso de pele: tudo o que você precisa saber

Perder muitos quilos costuma trazer duas sensações. Uma é excelente e faz com que a pessoa se sinta saudável, enquanto a outra não é tão agradável — como vivenciar o incômodo do excesso de pele. Nesse caso, o nível de descontentamento pode variar dependendo de muitos fatores, como a região afetada, a quantidade de pele excedida e seu estado psicológico. 

A verdade é que, em menor ou maior grau, ninguém fica contente exibindo a pele excedente, pois é difícil  disfarçá-la muitas vezes. Mas a boa notícia é que existe uma solução para acabar com o problema.

Neste post, vamos contar tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Acompanhe! 

Qual é a causa do excesso de pele? 

flacidez excessiva é muito comum em grandes perdas de peso nos indivíduos com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30, que passam a ser chamados de obeso classe 3 ou obesidade mórbida, e naqueles que têm um IMC superior ou igual a 40. As grandes sobras de pele podem ocorrer em várias partes do corpo, como:

  • seios;
  • braços;
  • coxas;
  • abdômen;
  • nádegas.

Consequentemente, a silhueta se torna pouco ou nada definida. Vale lembrar que ficar com a pele flácida em uma grande extensão do corpo é muito comum após cirurgias bariátricas para a redução do estômago. 

O que ocasiona a flacidez excessiva? 

A sustentação e a elasticidade da pele são mantidas pelo colágeno e pela elastina provenientes das proteínas da alimentação ou suplementação proteica. A absorção ineficiente dessas substâncias, de vitaminas e dos minerais causa o problema. 

Mesmo quem recebeu uma orientação nutricional adequada pode vir a apresentar flacidez devido à alteração metabólica que a cirurgia bariátrica ocasiona. Outro motivo para o excesso de pele é que, durante o período mantido acima do sobrepeso, o corpo fica com uma área maior de pele, que acompanha seu aumento de massa. 

Emagrecer rapidamente gera excesso de pele? 

Não necessariamente. Perder peso de forma rápida não significa ficar com a pele flácida, mas pode envolver um desequilíbrio nutricional no caso de muitos pacientes. 

Na famosa dieta ioiô, o peso perdido é recuperado em pouco tempo (e assim por diante), o que não é nada saudável. O fato de engordar abruptamente ou mais rapidamente nesse tipo de dieta também pode aumentar as chances de desenvolver estrias

Quais são os problemas causados pela flacidez excessiva? 

Os problemas vão do campo psicológico à saúde, pois atingem a vida da pessoa em todos os sentidos. 

Danos psicológicos 

Na região abdominal, por exemplo, pode se formar o que é conhecido como “barriga de avental”. Assim, hábitos simples se tornam impossíveis, como tomar sol na praia. Entre as maiores consequências desse impacto para a autoestima, estão: depressão, perda de emprego e términos de relacionamentos. 

Danos à saúde 

O contato da pele sobre ela mesma forma dobras que acumulam fungos e bactérias. Com o suor, elas geram mau cheiro e, muitas vezes, dermatites ou infecções na região. 

Como a flacidez decorrente do emagrecimento pode ser evitada? 

Não basta fazer a dieta: é preciso seguir um conjunto de tratamentos para que não ocorra o excesso de pele. Mas é claro que isso depende do quanto a pessoa terá que emagrecer. 

Consuma gelatina e colágeno 

Coma bastante gelatina (pode ser a comum) e também colágeno, pois eles são os responsáveis pela firmeza da pele. Ambos podem ser encontrados em forma de cápsulas ou hidrolisados e auxiliam na elasticidade da pele, inclusive evitando linhas de expressão ou rugas.

Trate com carboxiterapia e corrente russa

A carboxiterapia é um conjunto de injeções de gás carbônico aplicado nas camadas subcutâneas para estimular a circulação sanguínea e a produção de colágeno. Assim, a pele fica mais lisa e firme. Há ainda um tratamento chamado de corrente russa. Trata-se de eletrodos que são ligados na pele e dão choques, enrijecendo os músculos.

Faça hidroginástica 

Além de ser um ótimo exercício, a hidroginástica reduz a flacidez, pois a água impõe um peso extra aos movimentos do corpo. É como se a pessoa estivesse fazendo musculação, mas evitando riscos de lesões e fortalecendo toda a musculatura do corpo. 

Dance muito 

Alternar estilos de dança é benéfico porque intensifica os movimentos, assim como melhora a postura e trabalha todos os músculos do corpo. Que tal fazer street jazz, axé e depois tango ou flamenco? 

Use cremes e loções 

Usar cremes e loções mantém a pele hidratada, além de combater a flacidez. Passe cremes corporais à base de DMAE, substância que diminui a retenção de líquido nos tecidos e elimina as toxinas causadoras do problema. Dê preferência também às loções que são provenientes da manteiga de karité, pois o ingrediente acelera a produção de colágeno. 

Mais uma opção é o creme de silício, mineral existente no organismo em altas quantidades e que deixa a pele firme. O indicado é usar qualquer uma das opções nas áreas flácidas pelo menos duas vezes por dia, para que depois de dois meses comece a fazer efeito. 

Tome cápsulas 

Existem cápsulas como as de carcinina ou silício para o tratamento da derme. A carcinina é um aminoácido que evita a perda de colágeno, já o silício provoca o enrijecimento da pele. Os dois começam a fazer efeito após um mês de uso. 

Use raios infravermelhos 

Fazer um tratamento com raios infravermelhos permite que os músculos se retraiam, estimulando profundamente a produção de elastina e colágeno. O efeito pode ser notado após dois meses de terapia. 

Previna-se com o Accent 

Essa opção tem sido muito procurada porque o Accent combate a flacidez. Trata-se de um aparelho que emite ultrassom, esquentando a pele e quebrando as moléculas de gordura. Dessa forma, há a renovação das fibras de colágeno e a expulsão das toxinas do corpo. É possível perceber o resultado com um mês e meio. 

Experimente a radiofrequência fracionada e o ultrassom 

Ambos os procedimentos trabalham juntos, possibilitando que o médico faça centenas de microperfurações de profundidade controlada na região da pele a ser tratada. Em seguida, são feitas infusões de medicamentos específicos diretamente na camada mais profunda, por meio do ultrassom. Além de reduzir a flacidez, o tratamento ajuda em vários problemas estéticos. 

Como acabar com a pele excessiva? 

Quando bem indicada, uma solução eficiente é a cirurgia plástica. Existem várias técnicas de intervenção cirúrgica recomendadas pelos cirurgiões plásticos que ajudam os pacientes a retomarem um contorno corporal mais harmonioso. Consequentemente, tais procedimentos devolvem a autoestima das pessoas — principalmente daquelas que se submeteram à cirurgia bariátrica

Lifting facial 

O objetivo do lifting na face é remover a pele flácida acumulada sobre os olhos, a face e o pescoço. Como resultado, têm-se a suavização das rugas e o rejuvenescimento do rosto, o que melhora o bem-estar e a autoestima do paciente. 

Depois da cirurgia, é colocada uma bandagem em torno da face para diminuir o inchaço e os hematomas. Se o médico achar necessário, colocará um dreno para que o sangue e os líquidos não se acumulem. As cicatrizes ficam escondidas no couro cabeludo e nos contornos do rosto e da orelha, de maneira que não aparecem. 

Após sair da clínica ou do hospital, é preciso fazer repouso total para que o corpo se recupere (principalmente nas primeiras 48 horas). Além disso, os seguintes cuidados são necessários: 

  • não fazer movimentos bruscos com a cabeça depois da cirurgia; 
  • não tomar sol nos primeiros meses após a cirurgia; 
  • não lavar a cabeça na região onde estão os pontos; 
  • não retornar às atividades diárias antes de 15 dias. 

Vale lembrar que a cirurgia de lifting na face não é indicada para todas as pessoas. Pacientes que tenham doenças preexistentes e pessoas de idade avançada ou muito jovens não podem fazer o procedimento. 

Mamoplastia 

Conhecida como mastopexia, essa cirurgia retira o excesso de pele e reposiciona as mamas, que ficam com um aspecto mais firme. Durante o procedimento, se a paciente desejar, também pode ser realizada a colocação de próteses de silicone para aumentar os seios. 

A mamoplastia requer aproximadamente um mês para que a pessoa consiga trabalhar e fazer exercícios utilizando os braços. Também se deve ter atenção quanto aos seguintes aspectos: 

  • dormir sempre de barriga para cima, inclusive no primeiro mês;  
  • usar bandagem ou sutiã (ambos elásticos, para suportar a prótese por três semanas, retirando somente para tomar banho);  
  • evitar movimentos com os braços por 20 dias, como dirigir ou pegar algo fora do seu alcance; 
  • tomar banho completo após uma semana ou quando o médico autorizar, para não molhar o curativo; 
  • retirar pontos e curativos conforme orientação médica. 

Nem todos estão aptos para realizar o procedimento, pois pacientes que têm infecções agudas, má cicatrização, distúrbio de coagulação do sangue, doenças autoimunes e pouca circulação de sangue para o tecido mamário são considerados contraindicados. 

Abdominoplastia 

A dermolipectomia abdominal retira a pele formada no abdômen. A pele é puxada e a parte excedente, removida. O procedimento pode ser realizado de forma associada à lipoaspiração, com a intenção de afinar a cintura. 

O pós-operatório da abdominoplastia requer muita paciência, pois cada fase é importante para o sucesso da cirurgia. Veja alguns cuidados recomendados:

  • retornar às atividades diárias gradativamente, depois de três semanas (dependendo do paciente, pode variar um pouco);
  • não esticar seu tronco por aproximadamente três semanas, para que os pontos não abram. Assim, é preciso andar curvado (com o passar dos dias, a pele vai se acomodando e você poderá esticar aos poucos); 
  • dormir de barriga para cima, com a cabeça mais alta e as pernas apoiadas e dobradas em um travesseiro por um mês. Isso é importante para não fazer esforço na região, não abrir os pontos e prevenir a trombose; 
  • usar cinta pós-cirúrgica é imprescindível para que haja uma boa recuperação e o procedimento dê resultado. 

Alguns dos fatores restritivos para fazer a cirurgia são: distúrbios metabólicos ou endocrinológicos, cardiorrespiratórios, inflamatórios, infecciosos e vasculares. 

Lifting dos braços e das coxas 

A dermolipectomia dos braços e das coxas remove as sobras de pele que tanto prejudicam a movimentação e atrapalham as atividades do dia a dia. O atrito causado pelo excesso de pele entre as coxas dificulta o caminhar em muitos casos. A recuperação deve seguir alguns critérios, como: 

  • mantenha repouso nos primeiros 15 primeiros dias; 
  • evite afastar as pernas depois da cirurgia; 
  • evite levantar ou forçar os braços por cerca de 21 dias; 
  • faça a higiene do local cuidadosamente, para evitar infecções nos cortes; 
  • use malha elástica compressiva na região durante um mês; 
  • pratique exercícios físicos somente após 60 dias;  
  • proteja a cicatriz dos raios solares, para evitar que escureça. 

A cirurgia de lifting dos braços e das coxas é contraindicada a pacientes que têm cardiopatias, diabetes e doenças sistêmicas descontroladas. 

Cirurgia de contorno corporal (body lifting) 

Essa cirurgia corrige de uma só vez a flacidez de várias partes do corpo, como seios, tronco e abdômen. O resultado é um físico mais bem delineado. Para um efeito ainda melhor, pode ser realizada uma lipoaspiração durante a cirurgia, que removerá a gordura localizada excedente e levará a uma maior harmonia do contorno corporal

Sua recuperação é um pouco mais lenta, podendo durar de três a seis semanas, dependendo do número de áreas operadas. Durante esse período, você tomará antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios conforme orientação médica. 

É imprescindível o uso de cintas compressivas e o repouso domiciliar, além de fazer a drenagem linfática com um profissional capacitado. Para realizar o procedimento, você não pode ter patologias como doenças cardíacas, pulmonares, diabetes, hipertensão arterial, anemias entre outras. 

Qual é o melhor momento de fazer a cirurgia plástica reparadora? 

A cirurgia plástica é indicada apenas depois que o paciente tem seu peso estabilizado. Dessa forma, estabeleceram-se os seguintes critérios: 

  • não estar mais em processo de emagrecimento (caso contrário, a flacidez pode voltar); 
  • não ter tendência a engordar novamente (se tiver, a pessoa precisa se conscientizar disso e empenhar para manter o peso); 
  • aprender a manter uma vida saudável, com uma alimentação equilibrada e a prática regular de atividades físicas. 

Como o SUS e os planos de saúde cobrem a dermolipectomia? 

Os planos de saúde e o SUS cobrem a cirurgia reparadora somente se o procedimento for necessário para corrigir os eventuais problemas de saúde causados pela flacidez excessiva. Para tanto, é necessário apresentar dermatite nas dobras e dificuldade em se locomover ou movimentar os braços. 

O cirurgião plástico precisa fazer um relatório demonstrando a necessidade de realizar a intervenção. Muitas vezes, o paciente também pode ser avaliado por um médico perito que confirme essa conveniência. 

Nos casos em que a operação não tem cobertura pelos planos de saúde, o paciente pode fazê-la nas clínicas particulares. Para que você se sinta seguro ao realizar a cirurgia plástica, procure por médicos especialistas e consulte o CRM de cada um deles na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica ou nas clínicas das quais fazem parte.

A Clínica Integrada de Cirurgia Plástica, por exemplo, realiza todos os tipos de tratamento — desde a estética até as cirurgias plásticas reparadoras. Contamos ainda com uma equipe multiprofissional capacitada e credenciada em instituições nacionais e internacionais. 

E então, gostou de ler sobre o excesso de pele? Entre em contato conosco para que possamos tirar suas dúvidas! 

A realização de cirurgias plásticas está cada vez mais comum, segura e acessível. Por essa razão, cada vez mais pessoas recorrem a um cirurgião plástico para melhorar aspectos que não estão agradando em seus corpos.Powered by Rock Convert
banner clínica integrada de cirurgia plásticaPowered by Rock Convert
Dr. Lecy Marcondes

DR. Lecy Marcondes

Dr Lecy Marcondes Cabral, Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Fellow do Colégio Internacional de Cirurgiões, 35 anos de profissão, graduou-se, em 1982, em medicina pela Faculdade de Medicina de Pouso Alegre, em Minas Gerais:

  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Integra o Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz e do Hospital Israelita Albert Einstein.
  • Pesquisador na área de Cirurgia Plástica
  • Premiado nos Fóruns de Pesquisa do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Autor de capítulos de livros publicados nas áreas de cirurgia e cirurgia plástica.
  • Diretor e Responsável da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Navegação