Guia prático sobre quelóide pós cirurgia plástica!

As incisões fazem parte de qualquer cirurgia plástica, não é mesmo? Em algumas é possível realizá-las em locais estratégicos, enquanto outras ficam localizadas em partes expostas do corpo. A incisão na base da mama para introduzir a prótese de silicone é um exemplo de cicatriz pouco perceptível, visto que ficará escondida na dobra dos seios.

Já a da blefaroplastia — cirurgia das pálpebras — fica no côncavo, parte dos olhos bastante visível. Em condições de cicatrização normal, essa pequena incisão fica praticamente imperceptível, uma vez que se mistura com as dobras da pele. No entanto, se ocorrer a formação de quelóide, a incisão ficará perceptível, o que pode incomodar o paciente.

Mas, afinal, porque acontece a formação de quelóide pós cirurgia plástica? Essa é a dúvida de vários pacientes e, pensando em ajudá-los, responderemos essa questão no post, assim como abordaremos quais são as formas de evitar esse tipo de cicatrização e o que fazer para tratá-la. Ficou interessado no assunto? Então, continue a leitura e saiba mais!

O que é a cicatriz queloideana?

Todo ato cirúrgico gera uma lesão tecidual, ou seja, a perda da integridade da pele. A cicatrização consiste na reparação do tecido lesado ao substituí-lo por um novo, para deixá-lo com aparência e funções próximas do normal para aquela área.

No entanto, podem ocorrer alterações nas etapas fisiológicas desse processo, modificando a estrutura da cicatriz. Assim, formam-se as cicatrizes patológicas, chamadas de hipertróficas e queloideanas. A diferença entre ambas é de difícil percepção, mas há características próprias de cada formação cicatricial.

As hipertróficas respeitam as bordas da incisão ou da ferida, são ligeiramente elevadas e tem coloração rósea próxima ao tom de pele. Normalmente a sua textura é lisa e macia. Já as queloideanas crescem além do limite da incisão feita, são bastante elevadas, tem coloração violácea e,  em alguns casos, invadem tecidos vizinhos e tomam grandes proporções. No entanto, essa é alteração benigna, sem riscos para a saúde.

Por que ocorre a formação de quelóide pós cirurgia plástica?

Estima-se que nas feridas cirúrgicas há uma chance de 5 a 15% de formar queloides. Isso acontece quando há uma manifestação exagerada do processo de cicatrização normal. Na cicatrização fisiológica, o corpo sabe quando é a hora de parar de produzir células para fechar a ferida, o que não acontece na queloideana. Isso ocorre porque o corpo perde a capacidade de controlar os mecanismos que regulam o reparo e a regeneração dos tecidos.

Ainda não se sabe exatamente o que estimula a proliferação exacerbada de tecido cicatricial. No entanto, atualmente se sabe que existe uma tendência genética, ou seja, é comum que pessoas da mesma família tenham essa alteração. Nesse caso, um simples corte pode formar uma cicatriz exagerada.

Além disso, quanto mais pigmentada a pele, maior é a tendência para desenvolver queloide. Por esse motivo, pessoas de pele morena e negra tem uma chance até 15 vezes maior para formar queloides.

Como evitar a formação de queloides?

Cessar o tabagismo

O cigarro contém inúmeras substâncias tóxicas para o organismo. A nicotina, substância que cria a dependência no fumante, também é responsável por reduzir a vascularização da pele. Dessa forma, há menor oferta de nutrientes e oxigênio, o que é essencial para uma boa cicatrização.

O ideal é cessar o tabagismo cerca de 1 mês antes da cirurgia plástica, assim como manter esse hábito no pós-operatório, por no mínimo 1 mês.

banner clínica integrada de cirurgia plásticaPowered by Rock Convert

Usar fita de silicone

A fita de silicone comprime a região da cicatriz e inibe o estímulo de produção excessiva de colágeno. Além disso, esse tipo de produto também hidrata a região, reduzindo a coceira que é natural durante o processo de cicatrização.

Apostar em cremes com corticoide

O corticoide é um grande aliado no tratamento das quelóides e também pode ser usado para a prevenção dessas cicatrizes. O uso desses cremes normalmente é indicado para pessoas que tem tendência a esse tipo de cicatriz, mas deve ser recomendado por um especialista.

Evitar a exposição solar

Qualquer cicatriz deve ser protegida do sol, visto que a exposição solar estimula a produção de melanina, deixa a região escurecida e pode ser um fator estimulante para a formação de queloide.

A dica é evitar se expor ao sol por no mínimo 1 mês depois da cirurgia plástica. Após esse período é indicado abusar do protetor solar e, se possível, usar uma fita no local para potencializar a proteção.

Quais são os tratamentos para esse tipo de cicatriz?

É importante salientar que o processo cicatricial dura, em média, 6 meses. Dessa forma, é imprescindível procurar atendimento médico durante esse período, visto que o índice de melhora após os 6 meses é muito pequeno.

Em cicatrizes queloideanas pequenas e em fase inicial pode-se optar pela massagem com corticoides tópicos associada à aplicação de fita de silicone. Já para cicatrizes mais extensas, o corticoide pode ser aplicado com agulha ao longo de todo o tecido. Se o paciente tiver uma boa resposta a cicatriz diminui de tamanho e espessura, tornando-se menos perceptível.

Em outros casos o médico opta pelo tratamento com lasers, como o de CO2 ou carboxiterapia, radiofrequência, luz pulsada, peeling químico, ultrassom ou dermoabrasão. Por meio desses procedimentos a altura das cicatrizes pode ser reduzida e é possível recuperar a cor natural da pele.

Também existe a opção de retirar as quelóides cirurgicamente, o que deve ser avaliado pelo cirurgião plástico. Afinal, se a pessoa tem tendência a formar queloide, é possível que uma nova se desenvolva após a cirurgia. Para tanto existem várias técnicas, sendo que a abordagem cirúrgica depende do tamanho, altura e localização da cicatriz.

No entanto, essa pode ser uma boa opção para pessoas que não trataram o problema inicialmente. Isso porque após a retirada cirúrgica é possível potencializar a inibição do processo de cicatrização com corticoides ou outras técnicas.

E então, entendeu como se forma a quelóide após cirurgia plástica e o que fazer para preveni-la? Se você quer saber melhor como funciona a cirurgia de correção de cicatriz não deixe de acessar este post!

 

A realização de cirurgias plásticas está cada vez mais comum, segura e acessível. Por essa razão, cada vez mais pessoas recorrem a um cirurgião plástico para melhorar aspectos que não estão agradando em seus corpos.Powered by Rock Convert
Dr. Lecy Marcondes

DR. Lecy Marcondes

Dr Lecy Marcondes Cabral, Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Fellow do Colégio Internacional de Cirurgiões, 35 anos de profissão, graduou-se, em 1982, em medicina pela Faculdade de Medicina de Pouso Alegre, em Minas Gerais:

  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Integra o Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz e do Hospital Israelita Albert Einstein.
  • Pesquisador na área de Cirurgia Plástica
  • Premiado nos Fóruns de Pesquisa do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Autor de capítulos de livros publicados nas áreas de cirurgia e cirurgia plástica.
  • Diretor e Responsável da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Navegação