Otoplastia: conheça a cirurgia que corrige a orelha em abano

O pavilhão auricular é a parte visível da orelha. Esse apêndice, situado na parte lateral da cabeça, é constituído por uma cartilagem flexível recoberta por pele, com exceção do lóbulo. A sua principal função é captar o som, canalizando-o e transmitindo-o para a orelha média.

No entanto, a orelha também desempenha um papel importante na autoestima. Em algumas pessoas o pavilhão auricular é proeminente, quadro conhecido popularmente como orelha em abano. A diferença estética não compromete a audição, mas pode causar constrangimento, vergonha e ser motivo de bullying, principalmente entre as crianças.

Pessoas que se sentem incomodadas com a orelha em abano podem optar por uma cirurgia chamada Otoplastia. Nesse procedimento os pavilhões auriculares são reposicionados, o que garante uma melhor estética. Entenda no post como é feita a Otoplastia, para quem ela é indicada e outras informações importantes sobre a cirurgia de correção de orelhas proeminentes. Boa leitura!

Por que as orelhas ficam “em abano”?

Sabe-se que cerca de 5% da população brasileira sofre com o problema nas orelhas que as deixam proeminentes. Apesar disso, a orelha em abano não é considerada uma má formação do corpo, mas sim uma alteração anatômica.

Acredita-se que essa alteração seja genética, ou seja, é comum que membros de uma mesma família tenham orelhas proeminentes. Porém, não se sabe exatamente o que leva a pessoa a desenvolver a mudança do posicionamento do pavilhão.

O que é e como é feita a Otoplastia?

A Otoplastia é uma cirurgia plástica que reposiciona os pavilhões auriculares, a fim de torná-los menos visíveis. Assim, o rosto fica mais proporcional e, consequentemente, mais belo. Essa cirurgia plástica também pode ser usada para corrigir alterações de forma na orelha, assim como para tratar defeitos congênitos (de nascença) do canal auditivo, e outras estruturas do aparelho para melhorar a audição.

O primeiro passo da cirurgia é anestesiar o paciente. Para adultos utiliza-se a anestesia local com sedação ou a geral, enquanto para crianças e adolescentes é recomendado anestesia geral associada à anestesia local. O tempo de duração normalmente varia entre 1 e 2 horas.

O procedimento cirúrgico se inicia com uma pequena incisão atrás do pavilhão, seguindo a dobra natural da pele da região. O objetivo é retirar o excesso de pele para que a orelha seja reposicionada. Em alguns casos o cirurgião também opta por retirar um pedaço da cartilagem, com o objetivo de diminuir o tamanho do pavilhão. Em seguida é feita a sutura, com pontos de fixação geralmente internos e absorvíveis.

A grande vantagem desse procedimento é que as cicatrizes não ficam visíveis, visto que são feitas na parte de trás da orelha. Nos casos em que o cirurgião precisa retirar parte da cartilagem, as incisões são feitas nas dobras do pavilhão e, assim, se tornam minimamente visíveis.

Para quem a cirurgia de orelhas é indicada?

Até os 6 meses de idade a cartilagem da orelha ainda está em formação. Dessa forma, usar corretores que mantenham o posicionamento normal do pavilhão podem ajudar na resolução do problema. Entretanto, é preciso que eles sejam usados por um longo tempo e desde as primeiras semanas de vida. Além disso, essa não é uma garantia de normalização. Geralmente o aspecto melhora, mas as orelhas continuam proeminentes.

Por isso, a única forma de corrigir as orelhas em abano é a Otoplastia. Essa cirurgia é indicada para todas as pessoas que se sentem incomodadas com o tamanho grande ou a proeminência do pavilhão auricular. Infelizmente, esse problema não passa despercebido pelas crianças, que podem ser cruéis ao apelidar o colega com orelhas diferentes. Por causa disso, é muito comum que as pessoas manifestem, ainda na infância, a vontade de resolver o problema.

A cirurgia só pode ser feita a partir dos 5 anos de idade, visto que é nesse período que a orelha termina a sua formação e, assim, não há chance da cartilagem voltar a crescer.

Porém, cada caso é particular e deve ser avaliado pelo cirurgião. Conforme a extensão do problema pode-se realizar a cirurgia mais precocemente ou tardiamente, o que só poderá ser decidido por um médico especialista. Isso também depende do desenvolvimento da criança, já que algumas se desenvolvem mais rapidamente.

Como é o pós-operatório?

Antes da saída do bloco cirúrgico são feitos curativos com pomada cicatrizante e gazes no local, que são retirados antes do paciente ter alta. Depois, o paciente fica internado por 1 dia. Esse período é necessário para acompanhá-lo e verificar seu estado de saúde.

Para que a pessoa operada deixe o local de internação é feito um curativo compressivo, específico para a cirurgia de correção de orelhas de abano. Esse curativo é chamado de capacete e deve ser usado por cerca de 5 dias. No entanto, esse período depende da recuperação do paciente e também da indicação do cirurgião. Sendo assim, é fundamental seguir as orientações e tirar as dúvidas sobre a retirada com o médico responsável.

Após o tempo recomendado pode-se retirar o capacete, mas é preciso manter a região da cicatriz limpa e seca. Em alguns casos o cirurgião recomenda pomadas cicatrizantes ou específicas para melhorar o aspecto da cicatriz.

É comum que as orelhas se mantenham inchadas, dolorosas, vermelhas ou arroxeadas por um tempo. Para melhorar o quadro o cirurgião prescreve medicações, como analgésicos ou anti-inflamatórios. Em caso de dor muito forte é importante procurar atendimento, pois a dor comum da cirurgia se parece apenas com um incômodo.

Em crianças o retorno das atividades é recomendado após 1 semana, devido ao risco de trauma nos pavilhões recém-operados. Já nos adultos isso acontece mais rapidamente, podendo ocorrer em cerca de três dias. O uso de óculos de grau é liberado até por cima da faixa compressiva, mas é fundamental que não haja compressão forte na cabeça.

É importante salientar que a cirurgia para correção de orelha em abano não oferece riscos cirúrgicos graves. Por isso, não adie a sua realização por medo do procedimento. Os benefícios alcançados para a estética do rosto são relevantes e podem mudar a autoestima de uma pessoa.

E então, entendeu tudo sobre a Otoplastia, a cirurgia para tratar orelha em abano? Se você gostou do conteúdo siga nossas redes sociais e leia mais artigos sobre cirurgia e saúde! Estamos no Facebook e Instagram!

Dr. Lecy Marcondes

DR. Lecy Marcondes

Dr Lecy Marcondes Cabral, Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Fellow do Colégio Internacional de Cirurgiões, 35 anos de profissão, graduou-se, em 1982, em medicina pela Faculdade de Medicina de Pouso Alegre, em Minas Gerais:

  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Integra o Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz e do Hospital Israelita Albert Einstein.
  • Pesquisador na área de Cirurgia Plástica
  • Premiado nos Fóruns de Pesquisa do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Autor de capítulos de livros publicados nas áreas de cirurgia e cirurgia plástica.
  • Diretor e Responsável da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"