Tipos de cicatrização: conheça quais são e os cuidados necessários

Um pequeno corte na infância, uma ferida que demorou para fechar ou infeccionou, um cravo ou espinha que são tirados da maneira errada ou uma cirurgia. Há muitos processos pelos quais as pessoas passam e que podem deixar marcas no corpo. A cicatriz é o resultado inevitável dessas grandes ou pequenas lesões que trazemos ao longo da vida.

Existem muitos tipos de cicatrização e, na maioria das vezes, eles podem ser diferentes para cada pessoa. Essas mudanças estão relacionadas a diversos fatores, como a idade, a alimentação, a existência ou não de doenças crônicas, as medicações que são tomadas, entre outros motivos.

Neste post, vamos abordar quais são os principais tipos de cicatrização e como podemos tratar de cada um deles para alcançar os melhores resultados para o paciente. Aproveite a leitura e converse com seu especialista para que não haja surpresas após qualquer procedimento que envolva uma lesão na pele.

O que é o processo de cicatrização

A cicatrização nada mais é do que a troca de um tecido que passou por uma lesão por um novo ― um reparo providenciado pelo próprio corpo humano para promover a reconstituição da pele. Esse processo pode ocorrer de duas formas:

Cicatriz primária

Quando um ferimento não tem perda de tecido, não é contaminado e é formado com bordas lisas e próximas, como nas cirurgias, ocorre a cicatrização primária.

Cicatriz secundária

É ocasionada, normalmente, por ferimentos ou por problemas na cicatrização. Nesse caso, as bordas são afastadas e esteticamente são desfavoráveis.

Quais os principais tipos de cicatrização

Conhecer os tipos de cicatrização é fundamental para que o profissional escolha o tratamento mais adequado para cada um. Assim, os riscos de infecções são menores e o resultado final na sua pele será mais satisfatório.

Cicatrização queloide

Quando há crescimento fora do comum do tecido da cicatriz no local onde houve a lesão, a alteração é chamada de queloide. Não há riscos para a saúde nesses casos, e, na maioria das vezes, ocorrem em mulheres. Quem tem a pele mais escura ou mesmo os asiáticos tendem a desenvolver mais essa condição.

Não há como prever se ela vai aparecer ― o surgimento da queloide pode se formar tanto em um corte como em uma cirurgia, em queimaduras ou em outras situações em que há lesão na pele. 

Em grande parte dos casos a queloide pode ser tratada com uso da betaterapia. O tratamento é similar a uma radioterapia e pode ser aplicado em todas as áreas do corpo. A betaterapia não provoca dor e pode ser considerada simples, pois apenas a pele é atingida pelo tratamento.

Cicatrização hipertrófica

Muitas vezes confundida pelo paciente com a queloide, a cicatriz hipertrófica também apresenta formas mais exuberantes. A pele no local da lesão fica saliente e pode apresentar coloração avermelhada.

Ela pode ocorrer quando o organismo excede a produção de colágeno de forma desordenada. Diferentemente de quem tem tendência à queloide, as pessoas que desenvolvem a cicatriz hipertrófica podem ter a cicatrização normal em outras lesões.

banner clínica integrada de cirurgia plásticaPowered by Rock Convert

As lâminas ou placas de silicone podem ser usadas para tratar as cicatrizes hipertróficas. Eles atuam na compressão do local da cicatriz e no aumento da temperatura, o que leva a uma melhor atividade da colagenase.

Cicatrização branca e Cicatrização escura

A hipopigmentação ou cicatriz branca é formada quando não há produção de melanina suficiente no local da lesão.O inverso seria pela concentração de melanina, então teremos a cicatrização escura – que pode melhorar com hidratação sobre a cicatriz ou uso de despigmentante, sob orientação de seu médico.. Essa é uma condição genética nas pessoas que apresentam hipersensibilidade.

Nos casos menos graves, como arranhões e cortes pouco profundos, as manchas brancas voltam ao normal sozinhas. A exposição solar por curtos períodos, nos horários em que a radiação é menor, pode ajudar.

Cicatrização alargada

Quando a cicatriz parece espalhada, frouxa e rasa ela é chamada de alargada ou hipotrófica. Essa condição pode ocorrer pela dificuldade do organismo processar a cicatrização ou mesmo pela ruptura de pontos. Também é encontrada em pessoas que têm pouca elasticidade na pele. A aparência é semelhante à de estrias e geralmente afeta as regiões do abdômen ou das mamas.

A falta de colágeno e elastina no organismo está relacionada a esse tipo de cicatrização. O colágeno é produzido de forma natural pelo corpo humano e tem a função de sustentar as células que constituem os tecidos.

Além de ser produzido pelo corpo, o colágeno pode ser encontrado em alimentos, e suas fontes mais ricas estão no tutano e na gelatina. A vitamina C também contribui para esse processo. O tratamento deve promover o estímulo à produção de colágeno e elastina pelo organismo ― ou a complementação dela.

Cicatrização da tatuagem

Nem sempre a marca no corpo é decorrente de um machucado, corte ou procedimento cirúrgico. Muito mais simples do que uma cirurgia ou um ferimento profundo, a tatuagem também tem seu processo de cicatrização e deve receber cuidados especiais para garantir a coloração e a precisão dos traços.

Esse processo dura cerca de quatro semanas e deve ser iniciado logo após o término do trabalho do tatuador. Nas primeiras 24 horas, é recomendado o uso do curativo, que deve ser trocado constantemente para que não haja umidade e proliferação de bactérias. Quando o desenho começar a formar crostas elas não podem ser retiradas.

Após a primeira fase, uma fina camada de pomada cicatrizante pode ser aplicada nos primeiros 15 dias. O local ficará hidratado, o que ajuda na manutenção das cores usadas pelo tatuador.

Quais os cuidados comuns a todos os tipos de cicatrização

Durante qualquer processo de cicatrização, alguns cuidados básicos devem ser tomados pelo paciente para que as marcas no corpo sejam amenizadas. Isso inclui alimentação balanceada e rica em proteínas, carboidratos e gorduras.

Outra dica é a hidratação do organismo. Aqui vale aquela regra básica: beber ao menos dois litros de água por dia ajuda a acelerar a regeneração da pele de diferentes tipos de cicatrização. 

Se você quer receber mais informações e as últimas novidades sobre procedimentos cirúrgicos estéticos, assine a nossa newsletter!

A realização de cirurgias plásticas está cada vez mais comum, segura e acessível. Por essa razão, cada vez mais pessoas recorrem a um cirurgião plástico para melhorar aspectos que não estão agradando em seus corpos.Powered by Rock Convert
Dr. Lecy Marcondes

DR. Lecy Marcondes

Dr Lecy Marcondes Cabral, Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Fellow do Colégio Internacional de Cirurgiões, 35 anos de profissão, graduou-se, em 1982, em medicina pela Faculdade de Medicina de Pouso Alegre, em Minas Gerais:

  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Integra o Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz e do Hospital Israelita Albert Einstein.
  • Pesquisador na área de Cirurgia Plástica
  • Premiado nos Fóruns de Pesquisa do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Autor de capítulos de livros publicados nas áreas de cirurgia e cirurgia plástica.
  • Diretor e Responsável da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo.

1 Comentários

  1. Avatar
    Katiasays:

    Como sempre muito esclarecedor

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Navegação