Veja como a cirurgia plástica mudou a vida de Carla para sempre

A cirurgia bariátrica no Brasil aumentou 46,7% entre os anos de 2012 e 2017, segundo pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. Os números alcançados no período foram acima de 105 mil procedimentos. Por consequência, a cirurgia plástica entrou no rol do tratamento para complementar a parte estética, eliminando os excessos de pele.

Quem fez parte desta estatística foi Carla Dias Brosch Chiuratto, de 41 anos, que realizou as duas operações para ter sua saúde de volta, bem como a autoestima. Depois de lutar contra a balança fazendo regimes, exercícios e tomando remédios, viu seu organismo ficar comprometido e optou pela bariátrica.

Porém, após sua mudança para melhor, seu marido pediu o divórcio (mas calma, o desfecho desse relato é feliz). Conheça mais sobre sua história e a importância de gostar de si mesmo. Confira!

Compreenda a vida antes da cirurgia plástica

Quando teve sua filha, em 2007, Carla desenvolveu uma anemia séria devido à amamentação. Dessa forma, por indicação médica, ficou sem menstruar usando anticoncepcional injetável por um ano. Isso acarretou um aumento de peso de 30 quilos.

Para diminuir o peso, fez dois anos de tratamento com endocrinologista e nutricionista, mas não conseguia emagrecer. Durante esse tempo, era casada e não se sentia à vontade com seu corpo. “Achava-me gorda, não trocava de roupa na frente do meu marido, tomava banho de porta trancada e não tinha coragem de namorar com a luz acesa. Eu estava me sentindo muito feia”, relembra a paulistana.

Com a autoestima prejudicada, dificuldades para emagrecer, exames constatando o acúmulo de gordura no fígado e a quantidade de açúcar no sangue subindo, sua médica endocrinologista viu como alternativa a cirurgia bariátrica. Porém, Carla não tinha índice de massa corpórea suficiente para operar, então teve de fazer a solicitação junto ao convênio, baseada nas patologias existentes.

Apoio da família

A paciente, antes de tomar uma decisão, achou melhor conversar com sua mãe e marido para saber a opinião deles. Ambos deram muito apoio. Decidida, fez todos os exames pré-operatórios e conseguiu a autorização do plano médico.

“Como fazia regime constantemente, depois que marquei a cirurgia, aproveitei para comer massas, pães e frituras, ou seja, fui para a mesa de operação pesando 106 quilos”, comenta a paciente. Ela avalia que sua cirurgia foi um sucesso, pois a recuperação foi rápida e não sofreu com dores.

No entanto, o que era para ser só felicidade, uma grande decepção se abateu sobre ela. Seu marido, após 20 anos de casamento, pediu o divórcio. Além de já ter emagrecido mais do que o esperado com o procedimento, ainda perdeu mais 20 quilos em um mês, pois não conseguia se alimentar por causa da situação.

Início da recuperação

“Aos poucos, comecei a me recuperar e engordei 10 quilos. Não considerei ruim, afinal, estava muito magra. Mesmo assim, quando olhava no espelho continuava me vendo feia por causa do excesso de pele. Isso fez com que procurasse meu convênio para fazer uma cirurgia plástica reparadora”, acrescenta Carla.

Dessa forma, ao ligar na empresa para conversar a respeito do reembolso de um medicamento, e comentando com a atendente sobre seu caso, foi questionada se já havia feito a cirurgia reparadora. A paulistana explicou que há anos estava tentando, mas era sempre negado pelo plano. Com isso, a funcionária indicou o Dr. Lecy Marcondes, porque o cirurgião plástico sempre conseguia a reparadora pelo convênio, além de ser um grande profissional.

Veja o resultado de uma grande virada

Carla marcou a consulta e o médico explicou, em detalhes, os riscos envolvidos para realizar a cirurgia. Falou sobre a questão psicológica, pois a pessoa deve estar bem emocionalmente para ajudar no processo. Além disso, mostrou os possíveis resultados satisfatórios. Ela não teve dúvidas e, mais uma vez, estava enfrentando uma operação: agora de abdominoplastia e mastopexia para a retirada de excesso de peles.

“Fiz os dois processos juntos e não senti nenhuma dor. Houve um pouco de desconforto, o que era esperado, já que estava com quatro drenos, dois no abdômen e dois nos seios. Segui todas as recomendações médicas para que o resultado final fosse o desejado”, conta ela.

Carla ainda ficou 15 dias sem tomar banho, fazendo sua higienização com lenço. “Amei o resultado e minha autoestima foi restaurada. Valeu muito a pena”, conclui. Atualmente, Carla é muito vaidosa, se sente bonita e segura diante das pessoas.

Suas amigas dizem que nos lugares em que ela entra, chama a atenção de todos, mesmo tendo engordado 10 quilos depois de ter ficado desempregada. Mas já está fazendo regime para retornar ao corpo conquistado e não perder as cirurgias feitas.

Saiba como um profissional qualificado é determinante

Para a paciente, o cirurgião plástico Dr. Lecy Marcondes foi determinante, já que solucionou as negativas da sua operação reparadora e ainda a ajudou na recuperação da autoestima. “Eu o indico porque é um profissional que se preocupa com as pacientes e com a autoimagem delas, uma pessoa muito humana, além de simpático. É transparente e criterioso nos procedimentos para que os pacientes saiam da recuperação satisfeitos”, avalia Carla.

Segundo ela, seus seios ficariam mais distantes com as próteses e o médico avaliou que seria melhor dar um ponto por dentro para deixá-los mais próximos. Isso deu mais harmonia às mamas e fica perfeito nos decotes dos vestidos. O mesmo não ocorreu com sua amiga, que fez a mamoplastia e o profissional não realizou o procedimento.

Quando ela vê as fotos de antes e depois, se assusta com a sua aparência transformada. Agora, ao conseguir um emprego, economizará dinheiro para fazer lipoaspiração e colocar próteses nos glúteos, dando um pouco de volume.

Viu como a cirurgia plástica modificou a vida da Carla para sempre? A saúde e a autoestima foram restabelecidas para que ela tenha aceitação e vontade de viver saudavelmente. Assim, não fique com medo ou se lamentando: busque sua transformação. Tanto a bariátrica quanto a plástica reparadora são garantidas por lei para serem feitas pelos convênios ou pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Procure tirar suas dúvidas com profissionais qualificados, entrando em contato com nossa clínica, e volte a ter amor por você.

A realização de cirurgias plásticas está cada vez mais comum, segura e acessível. Por essa razão, cada vez mais pessoas recorrem a um cirurgião plástico para melhorar aspectos que não estão agradando em seus corpos.Powered by Rock Convert
banner clínica integrada de cirurgia plásticaPowered by Rock Convert
Dr. Lecy Marcondes

DR. Lecy Marcondes

Dr Lecy Marcondes Cabral, Mestre em Cirurgia Plástica pela Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Fellow do Colégio Internacional de Cirurgiões, 35 anos de profissão, graduou-se, em 1982, em medicina pela Faculdade de Medicina de Pouso Alegre, em Minas Gerais:

  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.
  • Integra o Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Luiz e do Hospital Israelita Albert Einstein.
  • Pesquisador na área de Cirurgia Plástica
  • Premiado nos Fóruns de Pesquisa do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
  • Autor de capítulos de livros publicados nas áreas de cirurgia e cirurgia plástica.
  • Diretor e Responsável da Clínica Integrada de Cirurgia Plástica São Paulo.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"

Navegação